PlanetGeek

Backblaze revela estatísticas dos discos de 2019

17-02-2020 | 18:30 | Aberto até de Madrugada


Com mais de 122 mil discos em operação, a Backblaze volta a revelar as suas estatísticas de fiabilidade dos mesmos, que revelam quais os modelos mais fiáveis e quais os mais problemáticos.

A Backblaze, empresa de backup de dados ilimitadps na cloud, tem a tradição de partilhar com o mundo todos os detalhes da sua operação; indo desde a disponibilização dos seus módulos de armazenamento (pods) como open-source, à transparência de revelar quais os discos que se revelam mais / menos fiáveis.

Para as estatísticas de 2019, temos resultados para discos da HGST, Seagate, e Toshiba, com capacidades que vão dos 4TB aos 14TB. (Embora já tenham discos de 16TB, para os quais têm estado a migrar, ainda não estão em operação há tempo suficiente para serem estatisticamente relevantes).

Não há grandes surpresas, com os resultados a manterem-se idênticos aos dos anos anteriores. Os discos da HGST e Toshiba são os que se têm revelado mais fiáveis, com taxas de avarias anuais abaixo dos 0.8%; enquanto que os Seagate continuam a ser mais problemáticos, com taxas de 1 a 3%. Há um modelo em particular que se destaca pela negativa: o Seagate de 12TB (ST12000NM0007) com 3.32% de falhas; enquanto que no mesmo modelo de 12TB da geração seguinte (ST12000NM0008) essas falhas se reduzem para menos de metade: 1.14%. Mesmo assim, face aos HGST de 12TB, com taxa de falhas de 0.56% e 0.40%, continuam a ter bastante para melhorar.

Resultados a ter em conta por quem quiser minimizar a probabilidade de problemas com discos rígidos. E acima de tudo, importa relembrar que mesmo um disco potencialmente mais problemático é infinitamente melhor do que não ter qualquer backup - mas não se esqueçam de testar regulamente a validade dos backups, para garantir que, em caso de necessidade, podem mesmo confiar neles! (Ainda este fim-de-semana fiz um teste arrancando com a pen USB criada pelo programa de backups, garantir que tinha acesso aos discos externos de backups, e que poderia fazer a reposição dos dados.)

Hoje em dia podemos arranjar um disco externo de 6TB por pouco mais de 100 euros, pelo que não há desculpa para não ter um backup que evite dores de cabeça!

Xiaomi Redmi Note 4X vs Redmi Note 8 Pro - o que mudou em 3 anos? [Parte 1]

17-02-2020 | 17:32 | Apps do Android

Frequentemente ficamos com a sensação de que, a cada ano, as melhorias nos smartphones são reduzidas ou quase inexistentes. Para ver se assim é, nada como por lado a lado dois modelos da Xiaomi com alguns anos de diferença: o Redmi Note 4X e o Note 8 Pro.


A gama Redmi Note da Xiaomi continua a ser uma das mais interessantes para quem procura um smartphone de gama média. A marca chinesa conseguiu entrar num segmento de produto iniciado pelo Moto G e, ao longo do anos, tendo vindo a consolidar a sua posição com uma renovação sustentada dos seus equipamentos. Fazendo um rescaldo, o que mudou em três anos deste modelo?


Em 201, a Xiaomi lançou o Redmi Note 4, tendo no início de 2017 apresentado uma nova versão com um processador Qualcomm. No Redmi Note 3 a Xiaomi tinha apostado forte com um Snapdragon 650, pelo que havia a curiosidade em verificar se para o Redmi Note 4 iria manter esta aposta (Snapdragon 653), mas a Xiaomi acabou por ser mais contida, optando pelo mais modesto Snapdragon 625.

Com duas opções de memória RAM (3GB/4GB LPDDR3) conjugadas com um armazenamento de 32GB ou 64GB eMMC 5.0, a Xiaomi conseguia manter os seus equipamentos altamente competitivos em termos de desempenho. O ecrã de 5,5" com resolução Full HD estava dentro dos padrões exigidos a um equipamento de gama média, coma a Xiaomi a não ceder à tentação de optar por um ecrã HD, como outras marcas faziam para manter os custos reduzidos. A bateria de 4100mAh permitia uma autonomia alargada, e a dupla de câmaras 13MP e 5MP estava ao nível do que era oferecido na altura, sendo capaz de cumprir os serviços mínimos.

O corpo em metal, dava ao smartphone um toque de requinte e robustez. As margens laterais eram já relativamente reduzidas (a superior e a inferior nem por isso), resultando num conjunto agradável para a época.


Três ano volvidos, o corpo em metal deu lugar ao vidro, com a Xiaomi a apostar no Corning Gorilla Glass 5. O vidro é muito interessante em termos estéticos, com o verde e o branco a mostrarem toda a sua beleza quando a luz incide sobre a traseira do conjunto, onde continua a marcar presença o sensor de um impressão digital.


O sensor aparece agora integrado no bloco que aloja as câmaras, apresentado um diâmetro mais reduzido. Não é tão confortável ao toque mas mantém o nível de eficiência em termos de detecção das impressões digitais.

As câmaras acompanharam a evolução que os smartphones têm vindo a registar, pelo menos em termos de número e funcionalidades. Na frente mantém-se a aposta numa única câmara mas o sensor passa dos 5MP para os 20MP, com a Xiaomi a apostar em força na AI com funcionalidades como a AI Silhouette detection | AI Beautify | AI Portrait mode | AI Scene detection | AI Studio lighting.

Na traseira, aumenta o número de câmaras e os MP, com o Redmi Note 8 Pro a apresentar uma tripla de câmaras com 64MP + 8MP ultra wide + 2MP Macro, que surge com um alargado leque de funcionalidades: Night mode | AI Scene detection | Smart ultra-wide angle mode | AI Beautify | Burst mode | Tilt-shift | Level display | Custom watermark | Pro mode | AI Portrait mode | 3D Lighting | Panorama mode | Ultra-wide angle video recording | Macro video recording I 960fps slow motion video | Time-lapse video. Se em termos de quantidade, não há margem para dúvidas, termos de avaliar o impacto nas fotografias e vídeo, para verificar até que ponto se registou uma evolução na sua qualidade.


O ecrã, ainda sem ter passado para um OLED, é o reflexo dos tempos que correm, com um notch gota de água na zona superior central. A diagonal passa para 6.53" com uma resolução 2340 x 1080 FHD+, alongando-se apenas o corpo do smartphone, com a largura a não sofrer alterações significativas. As margens, essas sim, são agora bastante mais reduzidas em todos os lados.


Em termos de dimensões, o referido alongamento dá origem a um corpo 10,7mm mais comprido, com a largura a registar apenas um aumento de 0,4mm para 76,4mm e a espessura de 0,36mm, para 8,81mm. O peso, acaba por aumentar de forma significativa, passando dos 165g do Redmi Note 4X, para os 200g no Redmi Note 8 Pro. Se o metal era criticado pela forma como penalizava o peso do conjunto, o vidro acaba por não beneficiar neste aspecto.



A memória RAM e o armazenamento acompanharam a evolução a que temos vindo a assistir, passando para 6GB/8GB LPDDR4x 2133MHz e o armazenamento para 64GB/128GB UFS2.1. Tendo em conta que estamos na presença de um equipamento de gama média-baixa, estes acabam por ser argumentos bastante interessantes.


A porta micro USB deu lugar ao USB-C

O processador do Redmi Note 8 Pro fica a cargo de um MediaTek Helio G90T, um octa-core com 2x ARM Cortex-76 2.05GHz + 6x ARM Cortex-A55 2.0GHz e GPU Mali G76 MC4 800MHz. Para garantir as condições de funcionamento ideais, a Xiaomi optou por um sistema de permutadores de calor, algo que habitualmente só é visto nos smartphones de gaming.



Esta escolha de processador por parte da Xiaomi acabou por ser surpreendente. Não que a marca chinesa não tenha sempre apresentado versões do Redmi Note com processador MediaTek, apenas reservava o Snapdragon para a versão Pro, algo que não aconteceu neste Redmi Note 8 Pro.


O ficha de 3,5mm para os headphones sobrevive, tendo passado para a lateral inferior

A situação torna-se ainda mais interessante devido ao facto de o Redmi Note 8 com um processador muitíssimo interessante, o Snapdragon 665, estando disponível no mercado por valores substancialmente inferiores aos do Redmi Note 8 Pro (190€ - 4GB/64GB vs 235€ - 6GB/64GB).



É precisamente esta alteração que gerou a nossa curiosidade em ver que diferenças efectivas se podem fazer sentir na mão dos utilizadores entre estes dois modelos, que acabarão por servir de indicador para as alterações entre smartphones com três anos de diferença. Não percam a segunda parte, a publicar em breve, com as conclusões obtidas.

Pen USB-C 32GB BlitzWolf a €6

17-02-2020 | 17:30 | Aberto até de Madrugada


Se estão a precisar de complementar a colecção de pens USB, podem estar interessados em apanhar uma destas pens USB-C 2-em-1 BlitzWolf de 32GB por menos de 7 euros.

Mesmo num mundo dominado pela cloud continua a ser indispensável recorrer às tradicionais pens USB (nem que seja como forma de transferir dados na eventualidade de não se ter acesso à internet) e nesse caso, nada como optar por umas que não se arrisquem a ficar completamente ocupadas assim que para lá copiamos algumas fotos e filmes das férias para partilhar com os amigos ou familiares. E neste caso, trata-se de uma pen USB que vem com ficha normal e ficha USB-C, para fácil ligação a um PC ou smartphone.




Esta pen USB-C 2-em-1 BlitzWolf BW-UPC1 de 32GB está neste momento disponível por apenas 6.93 euros.

As velocidades, quando ligada a uma porta USB 3.0, são bastante simpáticas, chegando aos 110MB/s em leitura e 55MB/s em escrita - algo pouco usual para uma pen USB nesta gama de preço; sendo também de destacar o facto de ter ficha USB-A tradicional e a mais moderna USB-C, para maior versatilidade de utilização.

Notícias do dia

17-02-2020 | 16:30 | Aberto até de Madrugada

Tesla obrigada a suspender construção de Gigafactory na Alemanha; Vidro do Galaxy Z Flip risca com facilidade; App Store quer acabar com descrições de actualizações genéricas; HQ Trivia encerra actividade com última sessão "alucinada"; a complicada tarefa de abrir dois documentos lado-a-lado no iPad; Autoflip da Google ajusta vídeos a qualquer formato; músico cria música com o pensamento através de braço electrónico; Tesla pressiona clientes a actualizarem os automóveis; como fazer um scanner 3D com laser e Raspberry Pi; e por fim, os EUA avançam com processo contra a Huawei.

Antes de passarmos às notícias de hoje, relembro que estamos a oferecer um ano de Xbox Game Pass Ultimate.

Galaxy Fold 2 poderá usar câmara invisível sob o ecrã



Embora a Xiaomi tenha revelado que as prometidas câmaras frontais sob o ecrã afinal apresentam um conjunto de problemas que não deverão ser resolvidos a curto prazo, a Samsung parece continuar empenhada em ser uma das primeiras marcas a fazer chegar essa tecnologia ao mercado - potencialmente já com a próxima geração do Galaxy Fold.

Os rumores dizem que a Samsung está a considerar câmaras invisíveis sob o ecrã para o Galaxy Fold 2, que permitiriam fazer desaparecer o volumoso e inestético notch existente no modelo actual. No entanto, por muito desejável que isso fosse, existem outros problemas que seguramente serão mais prioritários para resolver, como explicar porque motivo o suposto vidro flexível do Galaxy Z Flip risca como se fosse de plástico.


Astrónomos preocupados com mega-constelações de satélites



Enquanto a SpaceX vai lançando mais lotes de 60 satélites a cada duas ou três semanas, intensificam-se as discussões sobre com isso irá afectar as observações astronómicas. Os astrónomos estão preocupados com os riscos (literais) que o aumento substancial do número de satélites em órbita, que poderá passar dos poucos milhares actuais para mais de 20 mil nos próximos anos, irá trazer.

Embora empresas como a SpaceX estejam a fazer os possíveis para tornar os seus satélites menos visíveis, isso é algo que apenas poderá ser comprovada quando os satélites já estiverem no espaço - e actualmente não existe qualquer regulamentação concreta que obrigue a isso; pelo que constelações de satélites de outros países poderão nem sequer ter essa preocupação. Espera-se que seja possível encontrar um consenso, que permita usufruir das vantagens destas novas mega-constelações, mas reduzindo ao máximo o impacto negativo que possam vir a ter nas observações.

Relembro que hoje a SpaceX lançou mais um lote de satélites Starlink para o espaço:




Rocket Lab vai enviar CubeSat da NASA para a Lua



Diversificando as opções de lançamento, a NASA vai optar pela Rocket Labs para lançar o seu satélite experimental da missão CAPSTONE, que ficará a orbitar a Lua. Esta missão tem como objectivo validar diversas técnicas e sistemas que ajudarão a preparar um futuro "entreposto" lunar que potencialmente sirva como base de lançamento para missões tripuladas a outros planetas do sistema solar.

Por agora, tudo começa com um modesto CubeSat de tamanho diminuto (aproximadamente do tamanho de um micro-ondas), com o lançamento previsto para ocorrer já no próximo ano.


Samsung acompanha S20 com dois power banks de 25W



A acompanhar a nova família Galaxy S20 da Samsung surgem dois power banks que se destacam pela capacidade de suportarem carregamento rápido de 25W com USB-C, por forma a reduzir o tempo em que terão que ficar ligados ao smartphone. Um deles torna-se ainda mais versátil por contar também com carregador wireless, dispensando o cabo, mas reduzindo a velocidade de carregamento para os 7.5W.

O modelo com carregador wireless vem com duas portas USB-C, o modelo normal vem com uma porta USB-C e uma porta USB-A.


Curtas do dia


Resumo da madrugada




Chrome vai alertar e bloquear downloads considerados inseguros

17-02-2020 | 16:21 | Apps do Android


A começar na versão 82, o Chrome vai começar a alertar, e posteriormente bloquear, os downloads efectuados através de ligações inseguras.


A Google continua com a sua missão de erradicar o HTTP e promover o HTTPS para garantir uma maior segurança nas ligações na internet, e isso começará a ser mais visível com a chegada do próximo Chrome 82.

A partir dessa versão o browser da Google começará a alertar para o download de executáveis em páginas HTTPS que não sejam efectuados através de HTTPS, passando os mesmos a serem bloqueados na versão seguinte (Chrome 83) - e a serem expandidos a outros tipos de downloads.


A cada nova versão, os alertas e bloqueios irão expandir-se a: ficheiros de arquivo (zip, iso, etc.), documentos (pdf, docs, etc.), e por fim também a outros conteúdos (png, mp3, etc.)

Com esta medida visa impedir-se que páginas que os utilizadores pensam ser seguras (HTTPS), possam direccionar para o download de conteúdos que eventualmente possam ser adulterados ou espiados.

Sistema anti-drone usa lasers para os derreter a quilómetros de distância

17-02-2020 | 15:30 | Aberto até de Madrugada


Com os drones a poderem ser convertidos em armas com relativa facilidade, não demorou para que surgissem sistemas de defesa contra eles, como esta arma laser anti-drone.

Depois dos sistemas de interferência que visam impedir o controlo remoto - e outros mais criativos, como drones que lançam redes sobre outros, ou até os que usam águas treinadas para os derrubar - surge uma verdadeira arma laser anti-drone.

Concebida para ser montada num veículo ou colocada em postos de defesa fixos (como ao redor de aeroportos), este sistema consegue seguir com precisão drones a mais de 3 quilómetros de distância e manter focado neles um laser de alta potência que é capaz de os danificar em poucos segundos levando à sua destruição e queda.


Mostra também como os filmes de ficção científica não teriam grande piada se se tivessem armas laser realistas, já que seria fácil acertar no alvo desde que se conseguisse manter a mira sobre o mesmo (em vez de tanto disparar para raras vezes acertar).

Nos bastidores das fotos dos influenciadores

17-02-2020 | 14:00 | Aberto até de Madrugada


Num mundo onde muitas pessoas se querem fazer conhecer pelas fotos que publicam no Instagram, torna-se igualmente importante mostrar o que muitas dessas fotos implicam, e é precisamente isso que revela uma conta dedicada a mostrar "os bastidores" dos chamados influenciadores.

A conta influencersinthewild tem feito sucesso, ao revelar um misto de acidentes captados pelas câmaras e também ao ponto a que muitas pessoas estão dispostas a ir para captarem a "foto perfeita" para publicarem no seu Instagram.



A post shared by Tank Sinatra (@influencersinthewild) on











Umas vezes o resultado é meramente cómico; mas outras vezes é o tipo de prática que tem tudo para acabar em desastre, como muitas vezes é revelado por pessoas que caem de falésias depois de ter ultrapassado barreiras de segurança, ou em muitas outras situações que superam todo e qualquer bom-senso que devesse ser aplicado.

Notable PHP package: PHP SVG to Image Converter

17-02-2020 | 13:54 | Manuel Lemos

By Manuel Lemos
SVG is a well known format for describing vectorial graphics format that is better for storing the definition of graphics that should be rendered in high resolution screens or printed media.

Some applications need to use raster graphic formats because they easier and faster to render.

This package provides a pure PHP based solution to convert SVG graphics into bitmap based image formats.

Read this article to learn more details about how this notable PHP package works.

App Store quer acabar com descrições de actualizações genéricas

17-02-2020 | 12:00 | Aberto até de Madrugada


A Apple parece querer acabar com as descrições genéricas que acompanham as actualizações das apps na App Store, pedindo aos developers que usem informação mais relevante e informativa.

O iOS tem relegado as actualizações das apps para locais cada vez mais escondidos, optando por promover a confiança nas actualizações automáticas feitas durante a noite. Ainda assim, haverá muitos utilizadores que não deixarão de espreitar essa secção regularmente para verem que novidades essas actualizações poderão ter trazido. E são precisamente esses que mais "sofrem" quando se deparam com descrições genéricas, do estilo "melhoramos regularmente a app para que fique melhor" que são mantidas há meses, ou anos.

No entanto, a Apple tem estado a contactar developers e a indicar que não será adequado usar esse tipo de descrições genéricas no texto da actualização.


Em vez disso a Apple recomenda que os developers indiquem expressamente que alterações foram feitas - embora, ainda assim, permita que alterações pouco substanciais sejam simplesmente descritas como "correcções de bugs e melhorias no desempenho"... o que acaba por se tornar quase num sinónimo daquilo que dizem querer combater.

Seja como for, alguns developers já disseram que esta política é mais uma das que apenas parece ser aplicada aos developers mais pequenos, e que grandes developers (como o Facebook) continuam a fazer aquilo que bem lhes apetece sem qualquer repercussão. E a verdade é que praticamente todas as apps do Facebook - mas não só - recorrem ao mesmo texto genérico das "melhorias regulares" sem qualquer indicação detalhada há anos, e parece que assim continuarão a fazer.

Tesla obrigada a suspender construção de Gigafactory na Alemanha

17-02-2020 | 11:00 | Aberto até de Madrugada


Um tribunal alemão obrigou a Tesla a suspender a operação de abate de árvores no terreno da Gigafactory devido a preocupações ambientais.

Na China a Tesla construiu e pôs a sua Gigactory em produção em tempo recorde, mas parece que na Alemanha o processo será bastante demorado, enfrentando obstáculos antes mesmo de assentar o primeiro tijolo no terreno. A própria acção de abate de árvores e limpeza da floresta já está a gerar polémica, devido a queixas de preocupações ambientais, que levaram à suspensão das operações.

A Tesla tinha obtido autorização para limpar 92 hectares de floresta, embora ainda não tivesse obtido a aprovação final para o licenciamento da Gigafactory. A complicar as coisas, o tribunal fez questão de salientar que não se deverá ver a medida entreposta pelo grupo ambientalista "Gruene Liga Brandenburg" como sendo uma simples táctica de atraso, já que poderá resultar numa decisão favorável à mesma que venha a inviabilizar o abate de mais árvores e por em causa a instalação da Gigafactory naquele local.

... Bem, Elon Musk está a tempo de mudar de ideias e trazer a Gigafactory para Portugal, como já lhe tinha sido sugerido em 2017! :)

HQ Trivia encerra actividade com última sessão "alucinada"

17-02-2020 | 10:00 | Aberto até de Madrugada


Em tempos parecendo destinado a um sucesso imparável, app de jogo HQ Trivia, que permitia a toda e qualquer pessoa participar em jogos de perguntas e respostas em sessões de live stream, acaba por ter um desfecho bem diferente.

O HQ Trivia encerra actividade com uma sessão com um prémio final de uns simbólicos $5, e que se destacou por ser uma verdadeira sessão "WTF", onde os apresentadores nem sequer se deram ao trabalho de disfarçar a sua "alegria alcoólica".

Havia muita coisa que poderia ter corrido diferente e o HQ Trivia ser, nesta altura, um golias dos jogos (no seu auge, no início de 2018, chegou a ter mais de 2.3 milhões de jogadores simultâneos!) mas o que se passou foi uma verdadeira sucessão de desastres, azares, e más decisões, que agora o deixarão para a história como um dos mais bem sucedidos projectos falhados de sempre.

... Mas como sempre, por muito bom que seja um projecto, nada resiste à falta de dinheiro para que possa continuar operacional... (a certa altura o apresentador desta última sessão de jogo até diz que está a pagar o prémio final de $5 do seu próprio bolso.)


Combinação de emojis chega aos serviços da Google

17-02-2020 | 09:32 | Apps do Android



O Emoji Kitchen disponibiliza uma alargada variedade de emojis combinados, que permitem uma maior versatilidade na comunicação. Em vez de ficarmos limitados a um emoji "tradicional", ficamos com acesso a todo um conjunto de versões modificadas que poderão traduzir as nuances do que se tem a dizer.


Post de, Jennifer Daniel, Creative Director, Emoji

Já alguma vez esteve esmagadoramente apaixonado que o levou ás lágrimas? Ou talvez tenha rido tanto mas tanto que se sentiu mal - e desejou que o seu telefone tivesse um emoji para transmitir essa sensação? Quer envie uma mensagem para a sua melhor amiga ou para o seu grande amor, o teclado Gboard para Android disponibiliza os seus emojis favoritos e mistura-os com adesivos personalizados ajudando o utilizador a expressar as suas diferentes emoções e sentimentos. 

De uma forma carinhosa, chamámos a  esta nova funcionalidade de Cozinha de Emojis ( Emoji Kitchen),  porque o utilizador pode explorar novas “receitas” de expressões usando o seu emoji favorito como o ingrediente principal. Utilizando o Gboard no seu telefone Android, toque em qualquer emoji e a Cozinha dos Emojis vai revelar uma série de adesivos especialmente criados pelos designers da Google.




Vamos experimentar: Quando clica no emoji com chapéu de cowboy 🤠—YEEHAW, a partir de agora um novo mundo de emojis cowboys vai aparecer: um cowboy macaco , um cowboy fantasma, um cowboy sorridente, um cowboy beijoqueiro, um cowboy apaixonado, um cowboy a suplicar e, claro,... um cowboy muito triste.





Os emojis existem há tempo suficiente para que as pessoas queiram brincar com eles, como fazemos com as palavras - juntando-os, transformando substantivos em verbos, separando-os para criar conceitos inteiramente novos. O idioma é infinitamente criativo, tal como a arte e a música, e com a Cozinha dos Emojis, o teclado do telefone torna-se num local de formas de expressão ainda mais rico.

A Cozinha de Emojis está disponível para todos os utilizadores Android. Se quiser começar a cozinhar hoje mesmo, junte-se ao programa programa Gboard Beta e experimente nas suas aplicações de comunicação favoritas, incluindo o Gmail, Messages by Google, Messenger, Snapchat, Telegram, WhatsApp, e muito mais.

Vidro do Galaxy Z Flip risca com facilidade

17-02-2020 | 09:00 | Aberto até de Madrugada


Depois do fiasco do lançamento do Galaxy Fold, a Samsung volta a não se livrar de polémicas com o novo Galaxy Z Fold, que supostamente viria com um vidro ultra fino que evitarias as preocupações com os riscos.

Para além do preço, um dos maiores problemas dos smartphones com ecrãs flexíveis lançados para o mercado é que, sendo de plástico, se riscam com facilidade. Para o Galaxy Z Flip a Samsung fez questão de referir que utilizaria um vidro ultra-fino flexível - só que, os primeiros testes revelam que este suposto vidro acaba por riscar com a mesma facilidade que os ecrãs de plástico!

A Samsung já tentou explicar que o vidro vem com uma camada (plástica) adicional de protecção do vidro; mas mesmo que isto se venha a confirmar, não se percebe muito bem qual será a lógica de destacar a utilização de vidro (com a sua esperada resistência aos riscos), se depois se lhe aplicam uma película plástica que continuará a ficar riscada após poucos dias de uso.

Adicionalmente, a ideia de que usa vidro é também posta em causa pela facilidade com que o ecrã pode ser furado, danificando-se a coluna de pixeis do ponto em que se fizer pressão... Um assunto que a Samsung melhor fará em esclarecer devidamente quanto antes, para que não seja acusada de publicidade enganadora (faz recordar aqueles smartphones anunciados como sendo resistentes à água, mas que não se deviam utilizar na água...)



Actualização: Há um teardown que parece confirmar a presença de uma película ultra-fina de vidro, com a tal película de plástico de protecção. Ainda assim, a existência da mesma acaba por negar a vantagem "anti-riscos" que se esperaria da utilização do vidro.

Android 10 beta para o ZenFone Max Pro (M2)

17-02-2020 | 08:00 | Aberto até de Madrugada


O ZenFone Max Pro (M2) foi lançado com Android 8 Oreo, tendo que aguardar alguns meses até receber o update para Android 9 Pie em finais de Abril de 2019. Passados mais de seis meses sobre o lançamento do Android 10, o ZenFone Max Pro (M2) aguarda ainda pela disponibilização da mais recente versão no Android, mas que deverá acontecer em breve - como indica a chegada de uma versão beta.

Aquando do seu lançamento, o ZenFone Max Pro (M2) tinha como atractivo o facto correr uma versão do Android sem modificações (stock), algo que além de não sobrecarregar o processamento, poderia também contribuir para a disponibilização de actualizações mais céleres. Infelizmente parece que isso não tem acontecido na prática.

Uma visita ao site de suporte para este smartphone revela uma novidade muito interessante. A Asus está a disponibilizar uma versão de testes com o Android 10 para o ZenFone Max Pro (M2), assim como um firmware que permite fazer downgrade para o Android 9 Pie a quem assim o desejar.


Claro está que não possível resistir à curiosidade, pelo que já procedemos à instalação manual desta actualização. De referir que a instalação deste firmware só pode ser efectuada desta forma, não aparecendo a mesma no smartphone quando se activa a função de pesquisa de actualizações.


Pelo que foi possível observar, este firmware está a correr sem problemas, estando por isso muito próximo da versão final. Com este Android 10, o utilizador passa a contar com o novo sistema de gestos, interface escura, respostas rápidas na área de notificações, menu de partilha optimizado, modo sem distracções, novo sistema de permissões e actualizações de segurança via Play Store.

Claro está, continua a não ser recomendada a instalação deste firmware no smartphone caso se trate do vosso equipamento principal. O mais sensato será aguardarem pela chegada da versão final, algo que possivelmente deverá ocorrer até final do mês.

Uma noite de ataque massivo (mas com algum êxtase melancólico)

16-02-2020 | 23:03 | Gonçalo Sá

A transição de BLANCK MASS para o palco mantém o ambiente caótico de discos como "Animated Violence Mild", o mais recente do projecto de Benjamin John Power. E um dos melhores do ano passado, aliás, impressão que a noite de sábado no Musicbox, em Lisboa, só veio reforçar.

Blanck Mass no Musicbox.jpg

Ao quarto álbum, a aventura a solo de um dos elementos dos Fuck Buttons já mostrou que não fica a dever nada à discografia da dupla. Antes pelo contrário, como tem sido comprovado sucessivamente depois da estreia homónima, em 2011. O que começou como exploração electrónica em terreno IDM ganhou outro nervo ao segundo registo, o óptimo e desconcertante "Dumb Flesh" (2015), que apostou numa linguagem explosiva consolidada em "Wold Eater" (2017) e aperfeiçoada em "Animated Violence Mild" (2019).

Se a experiência em álbum é intensa, através de uma gestão meticulosa de derivações noise e drone, trazidas dos Fuck Buttons, que chocam no melhor sentido com estilhaços de outros géneros, ao vivo Benjamin John Power consegue ter um impacto à altura. Apresentando-se sozinho em palco, munido de programações e sintetizador, foi presença mais do que suficiente para colocar em marcha um ataque sónico que valeu por uma multidão. A acústica da sala ajudou a tornar a estridência quase sem tréguas num espectáculo imersivo, sensação apurada pelo trabalho de luzes strobe e por um ecrã de imagens tão fragmentadas como os ingredientes desta música.

Animated Violence Mild.jpg

No livro de estilo de BLANCK MASS, o electro pode não andar longe do black metal, o techno esbarra facilmente no trance, o industrial aceita contaminações de alguma produção hip-hop. E as vozes, mesmo quando não são utilizadas como mais um instrumento, disparam sempre sons imperceptíveis, sejam os gritos distorcidos de Power ou samples de cânticos de uma eventual soul futurista.

O título de uma canção como "Death Drop" diz logo ao que vem e acendeu o rastilho para uma noite na qual o novo disco foi dominante. E faixas como esta deram conta da fórmula do projecto em ponto de rebuçado, ao imporem um crescendo rítmico a caminho do arrebatamento sem que o lado abrasivo esmagasse a componente melódica. Afinal, este acaba por ser um ruído orelhudo. Power sabe-o e soube como ir conjugando temas recentes, algumas recordações estratégicas e momentos de transição para ir dando nuances a um poderio sonoro que pode parecer monolítico à primeira.

O compasso viciante de "No Dice" lembrou o esqueleto do clássico "Terrible Lie", dos Nine Inch Nails, reencaminhado para algo completamente diferente, com tanto de visceral como de celestial. Mais demolidora, "Dead Format" recuou até aos dias de "Dumb Flesh" e ofereceu competição séria à robustez de "Love Is a Parasite", um dos picos do novo disco, enquanto que "Please" deixou um dos escassos episódios desacelerados, num belíssimo cruzamento de melancolia e êxtase a convocar  a escola de Burial ou Four Tet - e um dos maiores momentos de entrega do público, que se deixou embalar pela oportunidade de harmonia no meio do caos.

Ainda assim, coube a "House Vs. House" vincar o cenário de maior euforia colectiva. Foi o que mais se aproximou de um êxito pop dentro do alinhamento da noite, com vários espectadores a tentarem trauteá-lo à medida que o corpo se moldava a um frenesim rítmico sem travões (e tiveram espaço para isso, numa sala bem composta mas longe de claustrofóbica). Se as letras do tema não eram perceptíveis, Benjamin John Power também não fez questão de dirigir quaisquer palavras ao público. Mas nem por isso deixou de se fazer ouvir - e foi trocando olhares cúmplices à medida que ia sendo aplaudido. Só lhe faltou regressar para o encore, embora ninguém lhe tire 1h15 de alta voltagem muito bem orquestrada.

4/5

Ransomware reforça extorsão com ameaça de divulgação de dados

16-02-2020 | 21:00 | Aberto até de Madrugada


Com as empresas a precaverem-se contra ataques de ransomware com políticas melhoradas de backups, os atacantes passam a uma nova ameaça: a divulgação dos seus dados.

O ransomware tem sido uma das pragas digitais mais temidas dos últimos anos, muitas vezes interrompendo o normal funcionamento de empresas e serviços durante semanas, com prejuízos incalculáveis. Depois de uma primeira fase em que apanhava utilizadores privados e empresas por igual, os atacantes aperceberam-se que era bastante mais lucrativo focarem-se em vítimas maiores: empresas, hospitais, e até serviços municipais. E agora, para além dessas interrupções no serviço, a ameaça dos ransomware passa a ser pior que nunca.

A óbvia resposta e sistema de defesa contra ransomware passa por um sistema de backups e reposição de dados que rapidamente permita o regresso à normalidade. Sabendo isso, os atacantes que usam ransomware estão agora a dedicar-se também ao roubo de dados das suas vítimas, usando a ameaça da divulgação desses dados.

Neste caso, não adiantará que uma empresa possa repor os backups e estar pronta a retomar as operações num prazo de poucas horas; pois permanecerá o problema de ver dados potencialmente sensíveis serem expostos ao mundo, com todos os prejuízos adicionais que daí possam advir. Por exemplo, no caso de um hospital, seria bastante complicado ver as fichas médicas de todos os seus pacientes serem reveladas na praça pública da internet. E claro, com os atacantes a terem acesso a esses dados, nada impede que os mesmos continuem a ser divulgados (ou vendidos em segredo) mesmo que a vítima pague o dito resgate.


... A parte positiva é que, tal como o ransomware veio demonstrar a importância dos sistemas de backup; este roubo de dados virá dar importância à necessidade de se implementarem políticas bem definidas de protecção e acesso aos dados. Se as empresas guardarem dados encriptados, onde cada pessoa apenas tem acesso limitado ao que efectivamente precisa ter, reduzir-se-ão estas situações de roubo "global" de dados. Desde a obrigatoriedade de utilização de passwords seguras (com gestores de passwords), autenticação 2-factor, e outros... o aumento das ameaças irá automaticamente fazer com que se assista a um reforço da segurança.

Autoflip da Google ajusta vídeos a qualquer formato

16-02-2020 | 18:30 | Aberto até de Madrugada

A Google disponibilizou uma nova ferramenta que faz milagres na conversão de vídeo para qualquer formato de ecrã: o Autoflip.

Por muito que se tente promover a utilização do vídeo no formato horizontal 16:9, acaba por ser impossível impedir que sejam muitas as pessoas (e apps) que acabam por usar vídeos na vertical, com formato quadrado, ou outros. Daí a Google ter criado este interessante Autoflip, que pode pegar num vídeo e convertê-lo para qualquer outro aspecto à escolha do utilizador.


O sistema é bastante complexo, tendo em consideração coisas com o rosto das pessoas, objectos ou elementos em destaque na imagem, e até reconhecendo transições entre diferentes estilos de cenas. Mas o importante é que os resultados parecem ser verdadeiramente fantásticos, mesmo em casos extremos em que se quer passar de um vídeo 16:9 para um vídeo vertical 9:16, para formato quadrado 1:1, ou até para formato ultra-alargado 2.35:1 / 21:9.

Infelizmente por agora ainda não existe uma forma fácil em "app" pronta a usar para o podermos experimentar, mas está o código disponível no GitHub assim como instruções de o usar via linha de comandos. Suspeito que não demorará muito até que alguém o converta para uma app, facilitando a sua utilização (aliás, não sei porque a própria Google não o terá feito).

Readily3D imprime objectos 3D em segundos

16-02-2020 | 16:30 | Aberto até de Madrugada


Quem estiver desanimado pelo longo tempo de impressão 3D de peças mais complexas, vai gostar de saber que uma nova técnica de impressão usada pela Readily 3D promete reduzir drasticamente esse tempo, permitindo impressões 3D em segundos.

A tecnologia de impressão 3D da Readily3D é bastante curiosa. Na sua essência o sistema recorre a uma técnica idêntica à de impressão SLA em resina com endurecimento por luz; mas em vez de usar uma técnica de impressão por camadas, em que o modelo vai sendo elevado progressivamente de um tanque de resina, vai buscar inspiração a técnicas utilizadas nos TACs, para fazer uma impressão rotativa.


Nesta impressora, temos um laser que é modulado por um chip DLP, e que vai criando progressivamente a peça num reservatório de resina que vai rodando - com uma câmara a acompanhar o processo para garantir que está a progredir como seria suposto. Como grandes vantagens temos uma velocidade de impressão reduzida e que dispensa a necessidade de imprimir estruturas de suporte, mesmo no caso de peças mais complexas com muitos elementos "suspensos", já que a impressão é realizada integralmente em suspensão dentro da resina.

Por agora o sistema de impressão permite apenas um volume de impressão de poucos centímetros cúbicos (16x16x20 mm) com precisão de 80 microns, mas os seus criadores dizem que a técnica poderá ser usada para volumes maiores, de até 15 cm3.

O segredo do sensor de 108MP que equipa o Galaxy S20 Ultra

16-02-2020 | 16:21 | Apps do Android


O novo Galaxy S20 Ultra estreia uma câmara de 108MP num smartphone da Samsung, e há algumas diferenças face ao sensor que foi fornecido à Xiaomi.


A Samsung pode ter permitido que a Xiaomi estreasse um dos seus sensores de 108MP (o ISOCELL Bright HMX), mas para o seu Galaxy S20 Ultra adoptou o Bright HM1 com tecnologia nonacell - e não, não é um erro, não é nanocell mas sim nonacell. Depois dos seus sensores Tetracell, este sensor nonacell tem a capacidade de combinar grupos de 9 pixeis (3x3) para melhor a recepção de luz.

O efeito prático é, em ambientes de baixa luminosidade, se ter acesso a "pixeis" de 2.4um, face aos de 1.6um permitidos pela combinação de 4 pixeis da tecnologia Tetracell.

O sensor também tem a capacidade de aplicar diferentes níveis de sensibilidade a diferentes blocos de pixeis, o que lhe permite captar imagens HDR sem necessidade de exposições adicionais; e também conta com hardware integrado para fazer zoom de até 3X em 12MP directamente no sensor. Para além disso, pode também gravar vídeo em Ultra HD 8K a 24fps, e suporta estabilização electrónica em combinação com um giroscópio.

Vai ser interessante ver que tal o Galaxy S20 Ultra se comporta face ao Mi Note 10, nesta batalha entre sensores de 108MP.

Músico cria música com o pensamento através de braço electrónico

16-02-2020 | 14:30 | Aberto até de Madrugada


O músico Bertolt Meyer decidiu explorar a utilização do seu braço electrónico para criar música directamente com o seu pensamento.

Bertolt tem uma prótese no braço que pode controlar através do pensamento (através da utilização de eléctrodos no braço), e foi apenas uma questão de tempo até que lhe surgisse a ideia: se consigo usar os meus pensamentos para actuar os controladores eléctricos que fazem mover a sua mão robótica, porque não fazer o mesmo para controlar sintetizadores e demais equipamentos musicais electrónicos? E foi precisamente isso que fez.

Depois de ter criado uma placa para actuar como interface, Bertolt consegue agora interagir directamente com aparelhos musicais através do pensamento, através dos eléctrodos do seu braço.

... Volta a relembrar as possibilidades do que será possível quando se tiverem interfaces directamente com o cérebro, expandindo exponencialmente as potencialidades do que se tornará possível.