PlanetGeek

Firefox 70 chega com mais segurança e privacidade

23-10-2019 | 08:00 | Aberto até de Madrugada


A Mozilla lançou mais uma actualização do Firefox, que volta a focar-se na melhoria da segurança, privacidade dos utilizadores, e desempenho.

O Firefox continua a manter uma saudável legião de fãs (cerca de 250 milhões de utilizadores activos, segundo a Mozilla) e tem todos os motivos para isso, sendo um dos melhores browsers da actualidade e a opção lógica para quem não concordar com o caminho que a Google tem seguido com o Chrome.



Neste Firefox 70, a protecção contra tracking passa a incluir os trackers de redes sociais na opção "standard", impedindo que os plugins de redes como o Facebook e Twitter possam saber que sites os seus utilizadores andam a visitar. Os resultados disso poderão ser vistos no novo relatório "Privacy Protections report", que dá uma melhor ideia aos utilizadores daquilo que se livraram - e também indica potenciais roubos de dados que tenham revelado passwords.


A propósito das passwords, o gestor de passwords integrado no Firefox (Lockwise, ex-Lockbox) ganha integração melhorada com o Firefox Monitor e também um gerador de passwords seguras directamente no campo de passwords durante um registo.

Temos também melhorias no desempenho, com o WebRender nos WIndows, que utiliza os GPUs para a apresentação de conteúdos 2D, e um novo compositor gráfico em macOS que também promete maior eficiência e desempenho.

Notable PHP package: portable ascii

23-10-2019 | 07:54 | Manuel Lemos

By Manuel Lemos
Some applications need to use text that must use only ASCII characters, thus not have any letters with accents or cedillas for instance.

This package can manipulate text strings with any text so it can convert them to ASCII based text without any PHP extensions, like mb_string or iconv.

Read this article to learn more details about how this notable PHP package works.

Vodafone com problemas na rede

23-10-2019 | 07:00 | Aberto até de Madrugada


Depois dos problemas na NOS ao longo da manhã e tarde de ontem, também a Vodafone foi atormentada por problemas ao final do dia, afectando o serviço móvel e fixo por todo o país.

Se no caso da NOS a justificação foi a de que se tratou de uma "coincidência improvável" de falha simultânea em dois sistemas de processamento de tráfego, no caso da Vodafone a situação poderá ter estado relacionado com os seus servidores de DNS, já que muitos clientes disseram ter ultrapassado o problema ao utilizarem outros servidores de DNS alternativos, como o 1.1.1.1 da Cloudflare ou o 8.8.8.8 da Google. (No entanto, há outros utilizadores que diziam que nem com os DNS alternativos conseguiam aceder à internet.)

Querem um conselho? pic.twitter.com/ajj7Ecr1ij
— ounɹq (@nosuchuser) October 22, 2019


Os problemas começaram a fazer-se sentir ao final do dia, por volta das 22 horas, com a Vodafone a dizer à meia-noite que tinha identificado a situação mas sem avançar com uma indicação de quando o serviço regressaria ao normal. Esperemos que pela altura em que esta notícia for publicada, na manhã de quarta-feira, já tudo tenha sido resolvido.

Seja como for, não deixará de ser uma grande coincidência que dois grandes operadores de telecomunicações nacionais tenham tido "problemas improváveis" no mesmo dia.

Alexa e Google Home usados para escutar conversas

22-10-2019 | 20:00 | Aberto até de Madrugada


Para além das preocupações inerentes com o uso que é dado às gravações "legítimas" de dispositivos como o Google Home e Echos da Amazon, investigadores demonstraram que é também preciso ter enorme cautela com a possibilidade de serviços maliciosos os usarem deliberadamente para escutarem o que se passa na casa das pessoas.

Vivemos numa altura curiosa, em que muitos dos receios que anteriormente eram catalogados como "teorias da conspiração" foram infelizmente demonstrados como sendo bem reais, e até superando aquilo que se suponho ser ficção. Aliás, basta ter em conta o recente relato de um executivo da Google, que disse que seria conveniente que quem tiver um Google Home / Nest Home em sua casa avise as visitas de que as suas conversas podem estar a ser gravadas. Mas o caso em questão é ainda mais esclarecedor...

Investigadores criaram serviços para o Google Home e Amazon Alexa que tinham por missão escutar os utilizadores sem o seu conhecimento.

A táctica, embora um pouco rebuscada, assenta em bases relativamente simples e passou sem qualquer dificuldade pelos sistemas de validação da Amazon e Google. Fazendo-se passar por serviços aparentemente inofensivos, como serviços que diziam o horóscopo dos utilizadores, estes serviços armadilhados simulavam o som de que o serviço tinha terminado (por vezes gerando indicações falsas de erro), usando depois indicadores silenciosos para se manterem em actividade e escutarem tudo o que fosse dito de seguida com a expectativa de conseguir apanhar dados valiosos.


Embora fosse pouco provável que este tipo de ataque pudesse apanhar uma password relevante por voz (quantas vezes dizem uma password em voz alta?), existem outras tácticas que poderiam potenciar esse tipo de informação. Por exemplo, enquanto o serviço malicioso está em actividade, poderia interceptar os pedidos "Ok Google" e "Alexa", e redireccionar os utilizadores para páginas de phishing. Por exemplo, em resposta a um pedido para acender ou desligar luzes, poderia dar uma mensagem de que havia uma qualquer actualização que teria que ser feita, e em cujo processo fosse perguntada a password - a fazer numa página maliciosa apresentada no smartphone.

Com os deepfakes não podemos acreditar no que vemos; com estes assistentes de voz não podemos acreditar no que ouvimos. Começa a não ser nada fácil lidar com tecnologia sobre a qual temos que manter uma relação de suspeita permanente...

Contra os homens que odeiam as mulheres

22-10-2019 | 17:52 | Gonçalo Sá

"A GANHA-PÃO", "LES HIRONDELLES DE KABOUL" e "WARDI", três retratos no feminino, todos de animação e ambientados no Médio Oriente. E todos a recusar estereótipos de "mulheres fortes" ou do feminismo encomendado pelo politicamente correcto. Um está disponível na Neflix, os outros são dos melhores motivos para não deixar passar a Festa do Cinema Francês.

A Ganha-Pão.jpg

"A GANHA-PÃO", de Nora Twomey: Apesar de ter sido nomeada para o Óscar de Melhor Filme de Animação em 2017 (acabaria por perder para "Coco") e de contar com produção executiva de Angelina Jolie,  esta história decorrida em Cabul só chegou ao circuito comercial nacional este ano, e com uma passagem curta pelas salas (depois de ter sido exibida na Monstra em 2018, de onde saiu com o Prémio do Público). Mas está disponível no catálogo da Netflix e merece ser descoberta, ao deixar um relato do dia-a-dia no Afeganistão, em 2001, a partir da experiência de uma menina de 11 anos que decide fazer-se passar por rapaz quando o pai é preso, na tentativa de sustentar a mãe e os irmãos - uma vez que as mulheres não podem sair à rua sem estarem acompanhadas por um homem, sob pena de serem detidas, torturadas ou até mortas pelos talibãs. Entre o realismo possível para uma proposta que se dirige a toda a família e tons de fábula, a segunda longa-metragem da realizadora irlandesa (depois de "The "Secret of Kells", de 2009, co-realizada com Tomm Moore) é uma obra tão segura na vertente visual como no argumento, ainda que as duas aventuras que conta em paralelo não entusiasmem da mesma forma - a urgência do quotidiano da protagonista acaba por sair diluída quando entra em cena a história infantil de inspiração folclórica partilhada com o irmão mais novo. A alternância, no entanto, torna a animação mais contrastante e imaginativa, ao optar por estilos diferentes em cada enredo, numa variação bem-vinda face à oferta dos grandes estúdios. E capaz de dar novas cores e tons a um relato palpável e comovente.

3/5

LES HIRONDELLES DE KABOUL.jpeg

"LES HIRONDELLES DE KABOUL", de Eléa Gobbé-Mévellec e Zabou Breitman: Tal como "A Ganha-Pão", esta é uma história ancorada na capital do Afeganistão, durante a ocupação talibã, mas será uma proposta menos aconselhável para toda a família. O nível de violência - psicológica e gráfica - atinge outros patamares e o retrato é bem mais pessimista, ao mergulhar num sistema opressivo que deixa a maioria das personagens num beco sem saída, e com apenas uma réstia de esperança à tona. O desenho de uma comunidade submetida à violência (especialmente sentida pelo sexo feminino) parte dos dilemas de dois casais: um mais jovem, liberal e optimista, que vai encontrando na arte um escape para uma realidade conturbada; e outro de meia-idade, composto por um guarda prisional resignado e uma mulher que luta contra um cancro sem grande apoio do marido. O argumento, baseado no romance homónimo de Yasmina Khadra (editado em 2002), encarregar-se-á de cruzar os destinos destes quatro protagonistas, numa jornada de culpa e redenção, mudança e sugestões de segundas oportunidades, tornada singular pela parceria entre Breitman (realizadora de "O Homem da Sua Vida" ou da série "Paris etc", a estrear-se aqui na animação) e Gobbé-Mévellec (na sua primeira experiência como realizadora depois de um percurso nas artes gráficas). A singularidade reflecte-se na narrativa, capaz de acolher uma ambiguidade moral considerável (sobretudo nas personagens masculinas), e na vertente visual, com um estilo a remeter para a pintura com aguarelas. E resulta num filme tão angustiante como belo, merecidamente premiado no Festival de Animação de Annecy em 2018 e nomeado para a secção Un Certain Regard, em Cannes, este ano.

3,5/5

Wardi.jpg

"WARDI", de Mats Grorud: Primeira longa-metragem de um realizador norueguês que tinha despertado atenções nas curtas, este drama denuncia esse passado ao insistir numa estrutura episódica, com várias histórias dentro de um quadro geral. Mas essa opção será mais feitio do que defeito de um filme ambicioso e refrescante, que investe numa saga familiar ao longo de quatro gerações de palestinianos obrigados a procurar abrigo num campo de refugiados no Líbano. Poderá acusar-se Grorud de dar um retrato apenas parcial do conflito israelo-árabe, filtrado pelo olhar de uma menina de ascendência palestiniana que vai conhecendo as origens dos seus familiares (e levando o espectador nessa descoberta, que é também um adeus progressivo à inocência). Só que o realizador está mais interessado em dar conta dos traumas da guerra, e das várias e diversas repercussões que podem ter, do que propriamente em levantar qualquer bandeira. "Só odeio os israelitas que nos querem matar", diz a tia da protagonista a certa altura, num dos desabafos que demoverão quem quiser encontrar aqui tentações panfletárias. Por outro lado, não falta empatia pelas vítimas de um conflito sem fim à vista, ancorado em estudos de personagem que conciliam amargura, resiliência e cumplicidade. Esse humanismo sai a ganhar por um cruzamento invulgar de animação (tanto de stop motion como 2D) e imagem real (de base documental), conjugação que nunca passa por ostensiva e revela critério na escolha de cada técnica. Nada mal para uma estreia nas longas-metragens...

3,5/5

"LES HIRONDELLES DE KABOUL" e "WARDI" fazem parte da programação da 20.ª edição da FESTA DO CINEMA FRANCÊS.

Sistemas de travagem automática e detecção de peões deixam a desejar

22-10-2019 | 17:30 | Aberto até de Madrugada


No caminho para os carros autónomos, temos um teste que revela que até os sistemas mais simples, para detecção de peões e travagem automática, precisam ainda de bastantes melhorias.

Todos os sistemas de assistência ao condutor são bem vindos, especialmente aqueles que ajudaram a evitar ou reduzir drasticamente o risco de colisões, quer seja com outros veículos ou - como neste caso - peões. Infelizmente, mesmo carros carregados com tecnologia, como o Tesla Model 3, parecem não conseguir manter resultados satisfatórios nessa tarefa.

Embora vários modelos falhem na detecção e travagem que evitem um atropelamento, o caso do Tesla Model 3 destaca-se por ter detectado o peão e alertado o condutor desde cedo, mas não efectuando a travagem automática até ser tarde demais. É certo que há que manter um certo nível de tolerância para que um carro não faça uma travagem de emergência inesperada só porque detectou um peão no passeio que deu um passo em direcção à estrada, mas... há seguramente margem para melhorias.

Melhorias essas que também deverão ser aplicadas aos cenários nocturnos, onde estes sistemas também se revelaram completamente ineficazes - e quando seria necessária a maior ajuda possível de assistência ao condutor.


Análise aos Aukey EP-T10 - earphones wireless

22-10-2019 | 16:32 | Apps do Android


Os Aukey EP-T10 são uns earphones wireless que procuram combinar a versatilidade dos auscultadores sem fios, com a comodidade que o sistema de carregamento wireless oferece. Disponibilizam uma experiência sonora acima da média, que é acompanhada de uma autonomia prolongada, para garantir a sua utilização ao longo de um dia de trabalho.




Recentemente, tivemos oportunidade de analisar os auriculares Aukey EP-T16S, um produto interessante que, contudo, apresentava algumas limitações. Estes Aukey EP-T10 seguem a linha dos EP-T16S, apresentando-se como um produto virado para a mobilidade, dispensando a utilização de fios.


Aukey EP-T10



À semelhança dos Aukey EP-B80, a caixa do produto apresenta um nível de requinte em linha com o preço do produto. No seu interior, num primeiro nível encontramos uma peculiar caixa de transporte e os dois auriculares.




Num segundo nível, a documentação de referência, acompanhada pelos acessórios.




A Aukey disponibiliza um cabo USB-C, dois pares de almofadas de silicone que, em conjunto com as duas almofadas que vêm instaladas de origem, possibilitam um ajuste adequado à cavidade auricular do utilizador. Para manter os auriculares em posição, dois pares da armação, além do par instalado nos auriculares.



A caixa de transporte tem uma tampa que, ao ser rodada, apresenta os dois auriculares instalados no seu interior. Quando a tampa é rodada ouve-se um click que assinala a posição correcta para parar o movimento de abertura, algo simples, mas que contribui para uma experiência de utilização muito agradável.

Quando fechada a tampa, esta mostra a ficha USB-C para carregamento da bateria interna. Do lado contrário, com a tampa aberta, quatro pontos de luz, que indicam a carga da bateria da caixa.



O interior da caixa é constituída por duas cavidades com dois contactos cada, onde se instalam os auriculares para carregar/transportar. A Aukey indica 7 horas de autonomia para as duas baterias de 55mAh, que pode ser estendida até 24 horas, com recurso aos 2.5 carregamentos disponibilizados pela bateria interna da caixa. A bateria de 400mAh pode ser carregada a 5V e leva cerca de hora e meia a ser carregada. De referir que para maior conforto do utilizador, a caixa dispõe de um sistema de carregamento sem fios, que permite dispensar o cabo USB-C.



Em utilização


Em termos de especificações, este auriculares Aukey EP-T10 apresentam-se com Bluetooth 5 e um alcance até 10 metros. Com um peso de apenas 9g para o par e uma certificação IPX5, são uma boa opção para a prática desportiva, com a armação de silicone rígido, a manter os auriculares na sua posição.

Depois de emparelhados pela primeira vez, basta retirar os auriculares da caixa, para que estes estabeleçam uma ligação ao último equipamento a que foram ligados. Para limpar a lista de equipamentos emparelhados, basta colocar o auricular direito na caixa e pressionar a sua lateral durante 5s. Quando o led piscar 3 vezes, inicia-se o processo de emparelhamento com novos equipamentos.

O controlo da operação é feito através do toque nos dois auriculares, com estes a terem funções distintas. Um toque no auricular esquerdo ou direito inicia ou coloca em pausa a reprodução de música, assim como atende e desliga as chamadas telefónicas. Um duplo toque no Earbud esquerdo volta à faixa anterior, um toque longo reduz o volume de som. No caso do auricular direito, um duplo toque passa para a faixa seguinte, um toque longo aumenta o volume de som. Três toques activam o assistente de voz.


Os earphones Aukey EP-T10 apresentam um sistema de drivers dinâmico, que garante um desempenho sonora na linha do que os Aukey EP-T16S. A grande vantagem está na autonomia, que passa para mais do dobro, com este a ser um argumento de peso num produto que se destina à mobilidade.


Apreciação final



Este auriculares sem fio Aukey EP-T10 apresentam-se como uma solução interessante para quem a mobilidade é um requisito fundamental, com as 7 horas de autonomia em cada carga a serem o seu grande cartão de visita.

A caixa de transporte serve igualmente para o carregamento dos auriculares, com a sua bateria interna a garantir cerca de 2,5 carregamentos, suficientes para 24 horas de autonomia. O facto de se poder carregar a caixa sem recurso ao cabo USB-C, é outro aspecto interessante, contribuindo para uma experiência de utilização mais simples, não havendo necessidade de andar com mais um cabo na mala/mochila.

Com um preço na casa dos 100€, estes Aukey EP-T10 colocam-se num segmento de preço competitivo, onde há muitos argumentos e equipamentos em disputa. São uma boa opção para quem dá preferência à portabilidade e autonomia, sendo que se a qualidade sonora for um requisito fundamental, os Aukey EP-B80 serão uma opção mais indicada, se bem que com um cabo a poder complicar as contas finais, aquando da escolha do produto a adquirir.




Aukey EP-T10
Quente


Prós

  • Autonomia
  • Carregamento sem fios


Contras

  • Qualidade sonora face a outras opções com preço semelhante

Earphones Lenovo HE05 BT a €11

22-10-2019 | 16:30 | Aberto até de Madrugada


Se querem aderir aos earphones Bluetooth mas não querem preocupar-se com micro-auriculares que possam cair e perder-se facilmente, eis que estes Lenovo HE05 poderão ser a solução ideal.

Estes earphones Bluetooth são daqueles que mantêm um cabo a ligar ambos os auriculares, mas que sendo Bluetooth dispensam a tradicional ficha de 3.5mm que os liga a um smartphone, tablet, ou PC. Como o nome indica, são particularmente apelativos para quem gostar de ouvir música enquanto faz exercício físico, pois dispensa ter o cabo que o liga ao smartphone continuamente a balançar enquanto se corre ou, no caso de exercícios em ginásios, permite que se possa manter o smartphone no saco desportivo a vários metros de distância.


Neste momento estes Lenovo HE05 BT estão disponíveis por apenas 11 euros, com envio gratuito da Alemanha.

Estes earphones usam Bluetooth 5.0 (HFP / A2DP / AVRCP / Apt-X) e têm os botões de controlo quem permitem controlar a reprodução de músicas, volume e aceitar/receitar chamadas. Conta ainda com protecção IPX5 contra água e suor, para que não haja problemas em utilizá-lo durante corridas ou treinos. A autonomia em utilização é de 8 horas, com o recarregamento a demorar cerca de 1 hora.

Notícias do dia

22-10-2019 | 15:30 | Aberto até de Madrugada

NOS com problemas na rede em todo o país; Pixel 4 fica-se pelos 112 pontos DxOMark, empatado com o Mate 20 Pro do ano passado; 5G da Verizon nem sequer cobre um campo de basketball completo; actualização dos Google Home está a inutilizá-los; servidor da NordVPN foi infiltrado por hackers; e ainda o caso do sensor de impressões digitais ultra-sónico da Samsung ser ultrapassado por película.

Antes de passarmos às notícias de hoje, temos novo passatempo gadget da semana que está a dar um transmissor FM / carregador USB para o carro; e estamos também a celebrar os 12 anos de AadM com uma prenda muito especial. Adicionalmente, o nosso meeting mensal - edição especial de 12º aniversário - é já este sábado.

Google fornece primeiros Pixel 4 com caixas criativas



O Pixel 4 pode não ter saído tão bom quanto se esperava mas pelo menos a Google está a dar motivos para que os primeiros compradores fiquem com boas memórias da sua compra. Em vez das simples caixas habituais com o smartphone, a Google tem estado a entregar os primeiros lotes de Pixel 4 em caixas de cereais (e também caixas de Pizza).

Pelo menos no caso da caixa dos cereais, para além do Pixel 4 temos também um saco de cereais - pelo que fica a dúvida se no caso das caixas de Pizza se terá algum pedaço de pizza para aquecer no micro-ondas. Eu já estou é a imaginar que não deva demorar muito para ver algumas destas caixas a surgirem no Ebay, com preços que permitam comprar um Pixel 4 adicional de borla.


Emojis ganham 168 novas imagens

O Unicode Consortium já revelou oficialmente a lista de Emoji 12.1, que chega com 168 novos emoji, a grande maioria referente a variantes "sem género" de emojis já existentes, e também maior variedade na selecção capilar, incluindo variantes carecas, com cabelo ruivo e com cabelo branco.

As variantes "genéricas" dos emoji passarão a ser usadas sempre que não se definir expressamente o sexo da figura a representar; e temos também algumas substituições, como no caso da figura que representa um agricultor a ver trocado um pedaço de trigo por uma forquilha (até admira não terem considerado a forquilha como sendo um incitamento à violência - mas, pode ser que um destes dias a Apple decida trocar a imagem por uma mangueira, tal como trocou a pistola por uma pistola de água).


Xiaomi pede patente para câmara dupla frontal sob ecrã



Depois da perseguição dos smartphones com ecrãs sem margens, entra-se na corrida pelos ecrãs frontais sem notches, furos, ou câmaras popup. A Xiaomi e Oppo são duas das empresas que parecem estar mais à frente na corrida para as câmaras frontais sob os ecrãs, e sinal disso é mais uma patente pedida pela Xiaomi.

Segundo a mesma, a Xiaomi estará a considerar criar um smartphone que tenha duas câmaras frontais "invisíveis" sob o ecrã. O maior problema de momento será lidar com a perda de qualidade causada pelo ecrã - que mesmo sendo transparente, reduzirá a quantidade de luz recebida pelo sensor, e irá prejudicar a qualidade de imagem - mas não penso que isso será factor crítico para todos os que dão pouco uso à câmara frontal. Desde que tenha qualidade suficiente para fazer o desbloqueio por reconhecimento facial, chega e sobra.


Novos sinais de trânsito em Portugal em 2020



Em 2020 os condutores portugueses irão começar a encontrar novos sinais de trânsito nas estradas. Temos um sinal para zonas de emissões reduzidas, sinal informativo para zonas de residência ou coexistência de veículos e peões, assim como novos símbolos para indicação turística, geográfica, cultural e ecológica.

A entrada em vigor da nova sinalização acontece em Abril de 2020, havendo um prazo de uma década para os sinais já instalados serem substituídos (até 1 de Janeiro de 2030).


Facebook quer que páginas indiquem voluntariamente se estão ao serviço de países ou partidos



Depois de ter permitido que candidatos políticos lancem campanhas publicitárias manifestamente falsas, o Facebook tenta evitar que isso se aplique a toda a sua plataforma, agora passando a exigir que as páginas revelem voluntariamente se estão a fazer propaganda ao serviço de algum país ou partido.

O FB reforça ainda o seu suposto compromisso com a veracidade da informação, dizendo que vai investir ainda mais na validação de factos e indicação de notícias potencialmente enganadoras. Pena é que tudo isso apenas demonstre ter "dois pesos e duas medidas"... de um lado promovendo a "verdade", enquanto do outro permite publicidade comprovadamente falsa.


Elon Musk envia primeiro tweet através da rede Starlink


Sending this tweet through space via Starlink satellite 🛰
— Elon Musk (@elonmusk) October 22, 2019


Elon Musk tinha prometido afastar-se das redes sociais por alguns dias, mas não se imaginava que quando regressasse alguns dias depois, estaria prestes a enviar o primeiro tweet através da rede de internet via satélite Starlink da SpaceX. O primeiro passo está dado... falta agora continuar a mandar satélites para o espaço para se obter a cobertura a nível mundial que a rede permite.

E, quer tenha sido jogada estratégia ou real, o que é certo é que pediram autorização para mais 30 mil satélites(!) o que elevaria o total de satélites da rede para 42 mil. Estará na altura dos operadores de telecomunicações começarem a "levar a sério" a loucura de Musk?


Curtas do dia


Resumo da madrugada

OnePlus 7T passa um mal bocado nos testes do JerryRigEverything

22-10-2019 | 15:21 | Apps do Android


O OnePlus 7T já foi submetido à habitual dose de abusos e revelou um efeito inesperado da opção da marca ter feito um "buraco" grande para agrupar as câmaras traseiras.


A maioria dos fabricantes actuais tem tido a preocupação de fazer com que os seus novos modelos não dêem origem a novos casos "bendgate", embora se compreenda que não é fácil fazer com que um smartphone de espessura reduzida e com vidro consiga resistir a pressões excessivas de dobragem.

No entanto, no caso do OnePlus 7T, a traseira revela-se particularmente frágil, e tudo leva a crer que essa fragilidades esteja relacionada com o grande furo feito para a secção circular que engloba as três câmaras traseiras. No 7T Pro a OnePlus já optou por um agrupamento na vertical, com um buraco bastante mais estreito - talvez já antecipando este comportamento?

Seja como for, se tiverem um 7T... tenham cuidado para não se sentarem em cima dele ou o submeterem a pressões de dobragem excessivas. A utilização de uma capa também poderá contribuir para alguma protecção extra.



Actualização dos Google Home está a inutilizá-los

22-10-2019 | 14:30 | Aberto até de Madrugada


A Google está a estragar a reputação que tinha nas actualizações "sem chatices" dos equipamentos da família Google Home, com uma actualização que está a deixá-los encravados.

As actualizações dos Google Home são algo que passa completamente despercebido aos utilizadores, contrastando com aquilo que tem acontecido com o Windows 10, onde cada nova actualização é acompanhada pelo terror de "o que será que vai deixar de funcionar agora?" Mas, nem a Google é imune a cometer erros, e parece ter feito um de tamanho descomunal, com uma actualização que está a inutilizar alguns Google Home e Google Home Mini.

O único sintoma que os utilizadores afectados têm é que os seus Google Home e Home Mini deixam de funcionar sem motivo aparente, deixando apenas os seus LEDs ligados; mas o volume de queixas demonstra que isto não é um simples caso de avaria ocasional e está a afectar bastantes utilizadores. Infelizmente, do lado da Google a única indicação foi a de que "iriam investigar o caso", mas desde então tendo-se passado quase um mês sem qualquer informação adicional.

Mais desesperados estão os utilizadores que ficaram com os seus Google Home inutilizados, e que se queixam que a Google está a recusar substituí-los ou repará-los nos casos em que já estão fora da garantia. Efectivamente, isto faz com que se tenha que considerar a situação: num caso de uma actualização que corra mal, num produto já fora da garantia - e neste caso, sem que sequer haja qualquer controlo ou intervenção do utilizador na mesma - deveria ficar bem determinada que a responsabilidade continua a ser da empresa que a faz.

... Senão, um destes dias, temos as empresas a fazerem propositadamente actualizações para encravar os seus produtos assim que terminar a garantia; não?

Sensor de impressões digitais ultra-sónico da Samsung ultrapassado por película

22-10-2019 | 13:00 | Aberto até de Madrugada


A Samsung arrisca-se a estar perante um novo escândalo - felizmente, não explosivo desta vez - a propósito do sensor ultra-sónico de impressões digitais utilizado no Galaxy S10 e Note 10, e que pode ser ultrapassado utilizando-se uma simples película.

Um vídeo demonstra a verdadeira extensão do problema, confirmando que o caso não é tão "simples" quanto os mais optimistas esperavam. Se no caso que inicialmente levantou esta questão ainda estava por clarificar se os utilizadores tinham registado novamente as impressões digitais com a película colocada, agora essa questão deixa de se colocar.

Um utilizador demonstra, num Galaxy Note 10, como um pedaço de plástico é suficiente para enganar o sensor de impressões digitais, passando a reconhecer dedos que não tinham sido registados - e sem que tivesse havido qualquer novo registo de impressões digitais através do plástico. Com o plástico colocado, todos os dedos passam a ser erradamente reconhecidos como uma das impressões registadas.

Penso apenas que, para clarificar todas as dúvidas, o teste deveria ter sido feito utilizando-se um plástico "novo" e por outra pessoa, para que não restasse a dúvida de poderem ser impressões digitais já deixadas no plástico a poderem estar a causar o tal fenómeno. Mas de qualquer forma, caberá à Samsung dar as devidas explicações e esclarecer a situação, sob pena dos seus Galaxy S10 e Note 10 poderem ser desbloqueados por um pedaço de plástico.




*Aniversário 12 anos AadM - Pista 6/12: sensores

NOS com problemas na rede em todo o país

22-10-2019 | 10:44 | Aberto até de Madrugada

Se têm uma ligação NOS e estão a detectar problemas, escusam de começar a fazer reboot aos aparelhos ou a mexer nos cabos; o problema é mesmo da NOS.

Muitos dos nossos leitores reportaram problemas com a sua ligação NOS, de Norte a Sul do país, e que se vão multiplicando também nas redes sociais. A falha parece estar a afectar não só os utilizadores residenciais como também clientes empresariais, havendo empresas que até estarão actualmente sem serviço telefónico.

Embora sejam situações pouco frequentes, sempre serve para nos demonstrar que, ocasionalmente a ligação à internet / telecomunicações / serviço de TV pode falhar; e que no caso disso poder constituir um serviço essencial (no caso de empresas ou trabalhadores por conta própria), convém ter um qualquer plano de backup para "desenrascar" nesta eventualidade - que poderá passar por algo tão simples quanto um hotspot mobile com rede de outro operador (ou uma segunda ligação fixa de internet de outro operador, se tal se justificar).

Senão, resta apenas aguardar para que o funcionamento seja reestabelecido, e aproveitar para recordar como é viver "sem internet"... :)


Actualização: A NOS diz que o serviço já regressou à normalidade (após várias horas), dizendo que se tratou de um anomalia simultânea de dois sistemas de processamento de tráfego, com "probabilidade absolutamente ínfima" de acontecer.

5G da Verizon nem sequer cobre um campo de basketball

22-10-2019 | 10:00 | Aberto até de Madrugada


Nos EUA a guerra dos operadores de telecomunicação parece ter sido completamente dominada pelo marketing, e agora chegam ao ponto de anunciar uma ridícula cobertura em arenas de basket como se fosse uma grande vitória.

Depois da AT&T ter iniciado as hostilidades optando por chamar 5G ao seu 4G (que ainda por cima era mais lento que o 4G dos seus concorrentes), temos agora a Verizon a anunciar a cobertura 5G em várias arenas de basketball. O pequeno problema, é que mesmo tratando-se de um espaço confinado, essa pseudo-cobertura nem sequer garante que o 5G chegue a todos os espectadores, dizendo que irá apenas chegar a "algumas partes"!

Embora já tivessem surgido críticas idênticas em relação a estados de futebol (americano), estas arenas de basketball têm dimensões e lotação bastante menor - pelo que, se um operador apresenta a cobertura destas arenas como sendo uma grande vitória, e depois vem a revelar que afinal a cobertura é parcial, serve como um mau prenúncio para o futuro do 5G. (Se é assim tão difícil fazer chegar o 5G numa área tão limitada e controlada, facilmente se pode imaginar o caos que será trazê-la para o "mundo exterior".

... Esperemos que possa servir de exemplo para o que os nossos operadores em Portugal não devam fazer!

Dark Mode em ecrãs OLED economiza até 30% de bateria

22-10-2019 | 09:04 | TecnologiaHoje

Dark Mode em ecrãs OLED economiza até 30% de bateria


O Dark Mode foi lançado recentemente para dispositivos iOS e Android, e desde então os utilizadores têm perguntado se usar o Dark Mode influencia verdadeiramente a duração da bateria do seu smartphone.

De acordo com a PhoneBuff, os utilizadores de iPhone que atualizaram para iOS 13 e ativaram o Dark Mode terão 30% mais vida útil da bateria.

Os testes do PhoneBuff foram feitos com bots que realizam uma série de tarefas predefinidas, incluindo escrever mensagens, navegar no Twitter, YouTube, Google Maps, entre outros. 

Os testes tiveram a duração de duas horas e oi possível verificar que o smartphone sem Dark Mode ativado esgotou a bateria mais rapidamente.

Porquê que o Dark Mode melhora a eficiência da bateria? Simples, quando um display OLED é mostrado em preto, isso significa que os avisos no display estão completamente desligados e não usam energia da bateria, caso esteja ativado o brilho total, obrigatoriamente vai consumir mais energia, pois, os pixels vão estar ligados.

Os LCDs, por outro lado, não oferecem essa eficiência com o Dark Mode pois não usam a mesma tecnologia de pixel que o display OLED. Tudo o que o Dark Mode faz para displays LCD é oferecer um visual mais elegante.

Smartphones com display OLED:
  • iPhone 11 Pro / Max
  • iPhone XS / Max
  • iPhone X
  • Galaxy S10 / Note 10
  • Pixel 3 / 4
  • OnePlus 7 / 7T
  • Huawei P30 / Mate 20


Ganha um transmissor FM / carregador USB para o carro

22-10-2019 | 09:00 | Aberto até de Madrugada


Todas as semanas temos gadgets para vos oferecer, e desta vez é um versátil e produtivo leitor de MP3 para o carro, que também serve como receptor Bluetooth, emissor FM e carregador USB na ficha do isqueiro, nem sequer faltando uma ficha USB-C.

É difícil explicar tudo o que este aparelho faz. Por um lado, podem utilizá-lo para adicionar capacidades Bluetooth ao vosso auto-rádio, utilizando a sua função de receptor BT e emissor FM, permitindo que tudo o que ouçam no smartphone passe a ser escutado no sistema de som do automóvel. Mas também o podem usar como leitor MP3 para ouvirem música sem dependerem do smartphone; alterar a cor da iluminação para que se ajuste ao vosso carro, ou então, utilizá-lo como carregador, incluindo uma ficha USB-C para além das USB-A.



Já sabem como funcionam os nossos passatempos semanais: ao longo dos próximos dias iremos colocando diferentes perguntas no formulário que se segue, e no final o mesmo será oferecido aleatoriamente entre os participantes que tiverem acertado correctamente pelo menos numa delas (sendo que mais respostas certas melhorarão as vossas probabilidades de ganharem - mas atenção, pois apenas conta a primeira resposta que derem a cada pergunta.)

Loading…



Passatempo aberto a todos os participantes com morada em Portugal.

Rasto deixado pelos smartphones, deixa em perigo os utilizadores mas descuidados

22-10-2019 | 08:32 | Apps do Android



Os Investigadores da ESET revelaram ter descoberto o Attor, uma plataforma de espionagem, baseada no fingerprinting de dispositivos GSM. O Attor tem como principal alvo, governos e diplomatas na Europa Oriental, assim como utilizadores de redes sociais na Rússia.


Os investigadores da ESET descobriram vários ataques de espionagem de alto nível destinados a entidades governamentais e diplomáticas na Europa Oriental. A análise mostra que estes ataques foram realizados usando uma plataforma de ciber espionagem não detetada anteriormente. A plataforma é notável pela sua arquitetura modular, associada a dois recursos importantes: o protocolo AT usado por um dos seus plugins para o fingerprinting de dispositivos GSM e o Tor, que é utilizado para as suas comunicações na rede. Devido a esses recursos, os investigadores da ESET deram o nome à plataforma de "Attor".


“Os hackers que usam a Attor estão focados em missões diplomáticas e instituições governamentais. Esses ataques, que decorrem pelo menos desde 2013, são completamente dirigidos aos utilizadores destes serviços na Rússia, especificamente aqueles que são preocupados com a sua privacidade”, refere Zuzana Hromcová, investigadora de malware da ESET, que conduziu a análise.


A Attor possui uma arquitetura modular, que consiste num distribuidor e plugins carregáveis ​​que dependem desse distribuidor para implementar funcionalidades básicas. Esses plugins chegam ao computador comprometido como DLLs encriptadas. Eles são totalmente recuperáveis na memória. "Como resultado, sem acesso ao expedidor, é difícil obter os plugins da Attor e desencriptá-los", explica Hromcová.


A Attor tem como alvos processos específicos - entre os quais, processos associados às redes sociais na Rússia e alguns utilitários de encriptação/ assinatura digital, o serviço de VPN HMA, serviços de e-mail Hushmail e The Bat! com encriptação ponto-a-ponto, e o utilitário de encriptação de disco TrueCrypt.


A utilização do TrueCrypt pela vítima é inspeccionada com mais detalhe noutra parte da Attor. “A forma como a Attor determina a versão do TrueCrypt é única. A Attor usa códigos de controlo específicos do TrueCrypt para comunicar com a aplicação, o que mostra que os autores do malware devem entender o código open-source do instalador do TrueCrypt. Não temos conhecimento de que esta técnica tenha sido documentada antes”, refere Hromcová.


Entre os recursos da Attor implementados pelos seus plugins, dois destacam-se pelos seus recursos incomuns: comunicação em rede e o fingerprinting de dispositivos GSM. Para garantir o anonimato e a impossibilidade de rastreamento, a Attor utiliza o Tor: Onion Service Protocol, com um endereço básico para o servidor C&C.


A infraestrutura da Attor para comunicações C&C abrange quatro componentes - o expedidor com funções de encriptação e três plugins que implementam o protocolo FTP, a funcionalidade Tor e a comunicação de rede atual. "Este mecanismo torna impossível analisar a comunicação de rede da Attor, a menos que possuam todas as peças do quebra-cabeça", explica Hromcová.



O plugin mais curioso do arsenal da Attor reúne informações sobre ambos os dispositivos de modem/ telefone e unidades de armazenamento ligados, para além de informações sobre os arquivos presentes nessas unidades. De acordo com os investigadores da ESET, o principal interesse é o fingerprinting dos dispositivos GSM ligados ao computador por uma porta de série. A Attor usa os chamados "comandos AT" para comunicar com o dispositivo e recuperar identificadores - entre outros, IMSI, IMEI, MSISDN e a versão do software.


“Desconhecidos para muitas pessoas hoje em dia, os comandos AT, que foram desenvolvidos originalmente na década de 1980 para operar modems, ainda são usados ​​na maioria dos atuais smartphones”, explica Hromcová.


Entre as possíveis razões para a Attor usar os comandos AT está o fato da plataforma atingir modems e telefones mais antigos. Como alternativa, pode ser usada para se comunicar com alguns dispositivos específicos. Possivelmente, os criminosos aprendem sobre o uso desses dispositivos pela vítima usando algumas outras técnicas de reconhecimento.


“O fingerprinting de um dispositivo pode servir de base para o roubo de mais dados. Se criminosos tiverem conhecimento sobre o tipo de dispositivo ligado, poderão criar e implementar um plugin personalizado que seria capaz - utilizando comandos AT - de roubar dados desse dispositivo e fazer alterações no mesmo, incluindo a alteração do firmware do dispositivo”, conclui Hromcová.


Arctic Freezer 50 TR para AMD Ryzen Threadripper

22-10-2019 | 08:00 | Aberto até de Madrugada


Mesmo a tempo de quem procurar uma solução para o seu novo AMD Ryzen Threadripper, chega o novo Arctic Freezer 50 TR para sockets TR4, com LEDs RGB endereçáveis e um imponente peso de 1.2 kg que mostra que não é brincadeira nenhuma.

Grande parte dos utilizadores que montam um PC "artilhado" prefere optar por um sistema de water cooling de circuito fechado, para manter um poder de dissipação elevado com nível de ruído aceitável. No entanto, há quem continue a não querer misturar electrónica com água e prefira manter-se pelos dissipadores a ar.


Este Arctic Freezer 50 TR promete não recear os mais recentes e potentes Ryzen Threadripper da AMD, contando com um 8 heatpipes e um invulgar arranjo de duas ventoinhas com tamanho diferente: uma de 120mm e uma de 140mm. Uma combinação que a Arctic diz melhorar a circulação de ar face a usar duas ventoinhas idênticas. Conta ainda com 13 LEDs RGB endereçáveis individualmente, o que teoricamente abre perspectivas a possibilidades engraçadas (como mostrar um gráfico e cor em função da temperatura).

Com dimensões de 147.8×149.5×165 mm e 1.2 kg de peso, é um dissipador de respeito para qualquer motherboard (e deixa 37.5mm de espaço livre para os módulos DIMM da RAM) 37.5 mm. Tem um preço de 59.99 euros.

Windows 10 a €9 e Office 2016 Pro a €23

22-10-2019 | 07:00 | Aberto até de Madrugada


Depois das anteriores promoções, temos nova oportunidade para apanhar o Windows 10, Office, e demais software a preço reduzido na Goodoffer.

A Goodoffer24 está a levar a cabo uma nova promoção que dá acesso a descontos para todos os seus produtos de software.

Temos um desconto de 25% para a maioria dos produtos de software usando o código: JGAU25.





Nos pacotes com Office 2019 podemos ter até 30% de desconto com o código JGAU30.


O processo de compra é bastante simples, bastando ir adicionando os produtos pretendidos ao carrinho de compras, e inserir o código de desconto no campo respectivo antes de prosseguir para o checkout.



É possível fazer o pagamento via PayPal - o que é sempre recomendado como medida de protecção adicional - e que também demonstra que a Goodoffer24 não tem receio de dar essa facilidade aos seus clientes. Um dos nossos leitores disse recentemente que uma das chaves que tinha tentado utilizar (alguns meses após a compra) estava a dizer que era inválida, e que bastou contactar o suporte em info@goodoffer24.com para que rapidamente lhe enviassem uma nova chave, funcional, sem qualquer complicação.

Não se esqueçam que no caso dos Windows 10 e Office, o download continuará a ser feito do site da Microsoft, com a compra a disponibilizar apenas as chaves para activar os produtos:

Notable PHP package: PHP HTTP Status Code Constants

22-10-2019 | 04:54 | Manuel Lemos

By Manuel Lemos
HTTP status codes are important to return to the browser or the HTTP client that sends a request to a Web server. They return a code and and message that tell if the request succeeded or not.

This class can return the message and and description associated to many known HTTP status codes, so applications can generate HTTP status response headers without having to know how to format them correctly.

Read this article to learn more details about how this notable PHP package works.