PlanetGeek

Chrome vai abandonar acessos FTP

19-08-2019 | 08:00 | Aberto até de Madrugada


Quem ainda utilizar o Chrome para aceder a conteúdos FTP terá em breve que recorrer a outro browser - ou programa FTP - já que o browser da Google se prepara para remover este tipo de acesso.

O FTP (File Transfer Protocol) é uma das formas de aceder a ficheiros online, tendo nascido numa altura em que a preocupação com a segurança ainda não estava no topo das prioridades. Em vez de implementar o suporte para as mais recentes versões seguras FTPS e SFTP, a opção da Google está a ser a remoção do suporte para FTP no Chrome.

Ao longo dos últimos anos o Chrome tem perdido funcionalidades no acesso a FTP, como o acesso via proxies; e a equipa do Chrome diz que a taxa de utilização de FTP via Chrome é agora tão reduzida que se pode começar a pensar na sua remoção por completo.

Quem ainda utilizasse o Chrome para aceder a FTP terá que começar a pensar noutra forma de o fazer, quer seja através de outros browsers que ainda mantenham esse tipo de acesso, quer através de clientes FTP (como o FileZilla, por exemplo).

Apple prepara Apple Watch em titânio e cerâmica

19-08-2019 | 07:00 | Aberto até de Madrugada


Depois do iOS 13 beta revelar a provável data de apresentação dos iPhones 11, é agora a vez do watchOS 6 revelar novos modelos do Apple Watch com caixas em cerâmica e em titânio.

Nas versões beta do watchOS 6 foram descobertas referências a Apple Watches de 44mm com caixas em titânio e em cerâmica.

A medida em si não seria propriamente novidade, uma vez que a Apple já teve Apple Watches em cerâmica no passado (mas não em titânio) - mas a parte mais curiosa é que por agora tudo indica que se tratem de novas opções destinadas aos Apple Watch 4 e não a um novo modelo; o que seria bastante estranho, considerando que o ciclo de actualizações tradicional da Apple faria com que um Apple Watch 5 estivesse para breve.

Poderá ser uma forma da Apple renovar o interesse pelos Apple Watch 4 depois da chegada do novo modelo; ou então poderá ter sido apenas uma forma de disfarçar estas novidades destinadas ao Apple Watch 5 utilizando as referências ao Apple Watch 4. Coisa que se deverá clarificar já no próximo mês.

Gravações da Siri violam compromisso de privacidade da Apple

18-08-2019 | 20:00 | Aberto até de Madrugada


A descoberta que também a Apple disponibiliza gravações da Siri a parceiros para validarem transcrições e o reconhecimento de voz, vem por em causa a imagem da marca em se assumir como a grande defensora da privacidade dos utilizadores.

À semelhança do que tem sido descoberto em praticamente todos os assistentes digitais, também a Apple recorria a parceiros externos que tinham acesso a gravações da Siri, onde potencialmente se podiam ouvir conversas a referir dados privados, como questões de saúde, conversas com crianças, etc. Uma situação que está a ser descrita como um gigantesco fiasco até pelos maiores defensores da marca da maçã.


A Apple há muito que tem investido na imagem da privacidade e protecção dos utilizadores como elemento diferenciador - ao ponto de pagar por cartazes de tamanho gigante a dizer que aquilo que se faz num iPhone permanece unicamente no iPhone. Mas afinal, como agora ficou comprovado, nas gravações da Siri nada impede que um pedaço da vida privada dos utilizadores possa vir a ser escutado por um qualquer desconhecido.

Pior ainda, enquanto várias das outras empresas afectadas por situações idênticas, como a Amazon e a Alexa, disponibilizam formas de aceder e gerir essas gravações de forma relativamente fácil e acessível; no caso da Apple não existe uma forma de dizer que não se quer ceder as gravações para este efeito, nem saber se alguma delas foi escutada.

Veremos se a Apple se mexe rapidamente, a tempo de dar uma resposta a esta questão por altura da apresentação dos próximos iPhone 11 e iOS 13, esperados para 10 de Setembro.

RunKeeper vai abandonar Wear OS

18-08-2019 | 17:30 | Aberto até de Madrugada


Más notícias para os fãs do RunKeeper que gostavam de fazer tracking das suas corridas usando um smartwatch Android Wear. A popular app vai desistir de manter a app para Android Wear, dizendo que poucas pessoas a utilizam.

Os utilizadores do RunKeeper no Wear OS têm estado a receber emails a informar que a app irá ser cancelada em breve, dizendo que há um número reduzido de pessoas a darem-lhe uso, e que tem sido bastante complicado dedicar recursos a uma app que dizem manter-se com demasiados bugs e que não funciona com o nível de qualidade que seria esperado (se calhar esqueceram-se que um dos potenciais motivos para terem poucos utilizadores da app será precisamente por não funcionar como devia?)

Um anúncio que não deixa de servir como mais uma desistência de peso da plataforma Android Wear, embora continuem a existir muitas outras apps de tracking de corrida que certamente irão agradecer os tais "poucos" utilizadores que ficarão sem o RunKeeper nos seus smartwatches. Apps como a Endomondo, Runtastic Pro, Strava, ou até ficarem-se pelo Google Fit da Google.

Vai ser interessante ver que formas a Google estará a preparar para revitalizar o interesse no Wear OS, especialmente numa altura em que os wearables nos EUA têm tido um forte crescimento, e que tem sido quase todo absorvido pelo Apple Watch.

Tesla Model 3 fica mais barato que um Toyota Camry económico?

18-08-2019 | 15:30 | Aberto até de Madrugada


O custo real de utilização de um automóvel vai muito para além do preço pago na sua aquisição, e o Model 3 parece acabar por ficar mais barato que até um Toyota de segmento económico que custa quase metade do preço.

Já foram feitas muitas contas que demonstram que um carro como o Tesla Model 3 fica muito mais barato que um carro de segmento médio, por conta do combustível não gasto, as manutenções reduzidas, etc. Mas agora surge uma nova análise que parece demonstrar que o Model 3 consegue até ficar mais barato que um carro de segmento económico - o Toyota Camry LE, que custa menos de 25 mil dólares face aos quase 40 mil dólares do Model 3.


Fazendo as contas ao custo total de aquisição e utilização do carro ao longo de 5 anos, contabilizados para um Tesla Model 3 ($38900), um Toyota Camry LE ($24600) e Audi A5 ($44200) - incluindo o custo dos empréstimo para a sua aquisição, seguros, manutenção, combustível / electricidade, e demais gastos - ficamos com um custo de operação que fica em $0.46 por milha para o Model 3, conseguindo ficar abaixo dos $0.49 do Toyota, e muito abaixo dos $0.80 do Audi A5.

Mesmo sabendo-se que existe uma diferença significativa entre "investir" num carro de 25 mil ou de 40 mil dólares, são contas a ter em conta por quem se preocupar com o custo efectivo de utilização do seu potencial futuro automóvel.


Huawei volta a adiar data de lançamento do Mate X

18-08-2019 | 15:21 | Apps do Android


Depois de um adiamento feito "por precaução" em resultado das falhas detectadas no Galaxy Fold da Samsung, a Huawei vê-se agora numa situação ainda mais embaraçosa, ao fazer um segundo adiamento do lançamento do seu Mate X.


A Huawei sempre deu a entender que o seu Mate X estaria apto a ser lançado a qualquer momento, mesmo após o adiamento que atirou o seu lançamento para Setembro - tendo até feito várias referências de que o lançamento poderia ser feito mais cedo em resposta aos rumores que o Galaxy Fold estaria também prestes a regressar às lojas. Mas afinal... parece que existem problemas reais com o Mate X, ao ponto de causarem um novo adiamento.

Segundo as últimas indicações, o Huawei Mate X não poderá ser lançado em Setembro, com a marca a manter as expectativas de que isso possa acontecer ainda antes do final do ano, talvez lá para Novembro, a tempo de aproveitar a época de Natal.

Enquanto isso, sem revelar detalhes sobre os problemas que terão causado este novo adiamento (tal como não os indicou aquando do adiamento original), a Huawei vai desde já avançando que o sucessor do Mate X poderá contar com ainda mais ecrãs, adicionando-os na parte traseira do dispositivo.

... Penso que será um pouco prematuro estar a fazer promessas desse tipo, quando se deixa passar quase meio ano para fazer chegar o seu primeiro smartphone com ecrã dobrável ao mercado. Se bem que se tem que aceitar que será melhor demorarem "o tempo que for preciso" para garantirem que o produto chega ao mercado estando à altura das expectativas, do que fazerem um lançamento à pressa que apenas comprove todos os receios que se têm face a esta tecnologia, e que venha a provocar uma má-fama que afugente os consumidores durante os próximos anos.

YouTube Originals disponíveis gratuitamente a partir de 24 de Setembro

18-08-2019 | 13:30 | Aberto até de Madrugada


O YouTube já revelou a data em que começará a disponibilizar gratuitamente - com publicidade - as suas séries originais YouTube Originals, até aqui exclusivas para os subscritores do YouTube Premium.

Em Maio o YouTube deu a boa notícia de que as suas séries YouTube Originals iriam também ficar disponíveis gratuitamente, com publicidade, para quem não estivesse disposto a pagar (mais uma) mensalidade pelo serviço YouTube Premium. Agora, ficamos a saber que isso começará a ser feito a 24 de Setembro.

Será uma forma de fazer chegar estas séries a mais utilizadores, potencialmente conquistando novos subscritores (se acharem que os conteúdos o justificam) - mas simultaneamente dando também uma nova modalidade de acesso, para todos os que não se importarem de "pagar" o preço através do visionamento de publicidade. Há no entanto que ter em conta que esta modalidade gratuita irá contar com um período de atraso face à disponibilização das séries para os subscritores YouTube Premium, e que também não deverá dar acesso a conteúdos adicionais.

Vai ser interessante ver se esta opção do YouTube irá ter qualquer impacto nos demais serviços de streaming, a nível de os incentivar a lançar versões gratuitas mais limitadas, com publicidade.

Como criar um sensor de temperatura e humidade com ESP8266 e ecrã OLED

18-08-2019 | 12:13 | A Minha Alegre Casinha


Os pequenos e económicos ESP8266 e ESP32 vieram revitalizar o sector da electrónica, e hoje trago-vos um exemplo que mostra como se pode criar um sensor de temperatura e humidade com meia dúzia de cabos e umas dezenas de linhas de código.

Na base do sistema temos apenas três componentes, o ESP8266 / ESP32, o sensor de temperatura e humidade (DHT11 ou DHT22) e um pequeno ecrã OLED que será usado para apresentar a informação respectiva - ou qualquer outra coisa que desejem.


Electricamente o conjunto é bastante simples, já que a comunicação com o ecrã é feita via I2C (série) necessitando apenas de duas linhas de comunicação (para além da alimentação do ecrã), e a comunicação com o sensor de temperatura é feita usando apenas uma linha (para além da alimentação).

Da parte do software, graças à existência de bibliotecas que tratam de todo o trabalho, tudo se resume a inicializar os componentes (sensor e ecrã) e de seguida, no ciclo principal, seguir um processo de: 1) ler a informação do sensor; 2) apresentá-la no ecrã; e repetir o processo. Mais simples não poderia ser.

Claro que este é um projecto simples, e depois de se aventurarem nele, o céu é o limite. Por exemplo, poderiam dar uso à capacidade WiFi destes chips e dar um pouco mais de inteligência a este sensor de modo a que pudesse comunicar os dados da temperatura e humidade para serem integrados com um Home Assistant ou outro sistema... É só darem largas à imaginação para ver onde é que isso vos poderá levar.

Quanto dura um Tesla Model 3 estacionado?

18-08-2019 | 11:00 | Aberto até de Madrugada


A maioria das pessoas preocupa-se com a autonomia dos automóveis eléctricos em andamento, mas há outro factor que também merece destaque: qual a sua autonomia, caso fique estacionado durante semanas ou meses, desligado de um carregador?

Ao contrário de um automóvel "à moda antiga", que não gastava nenhuma electricidade enquanto estivesse desligado - para além do desgaste da própria bateria - um automóvel como um Tesla mantém uma série de sistemas em funcionamento, como as comunicações, sensores, potencialmente as câmaras de vigilância, etc. Tudo coisas que, mesmo consumindo relativamente pouca energia, irão contribuir para descarregar a bateria.

Foi precisamente isso que preocupou um dono de um Model 3 que iria de férias durante 62 dias, ficando sem saber como deixar o seu carro, já que não tinha posto de carregamento em casa onde o pudesse deixar ficar; e não seria adequado deixá-lo ligado a um posto de carregamento público durante esse período, ocupando um lugar desnecessariamente. Por fim, lá optou por deixar o carro em casa de um amigo, sem estar ligado a qualquer carregador.

O carro foi estacionado indicando uma autonomia para 299 milhas (481 km) e, passados 63 dias, quando regressou, ficou agradavelmente surpreendido por ver que o carro indicava uma autonomia de 199 milhas (320 km).

Isto dá uma média de gasto de cerca 2.5 km/dia estando parado; o que significa que um Model 3 Standard Range (autonomia de 409 km) completamente carregado poderia ficar estacionado durante cerca de 140 dias e ainda manter carga suficiente para percorrer 50 km; valor que aumentaria para os 200 dias - mais de meio ano -  no caso de um Model 3 Long Range (autonomia de 560 km).

Valores que provavelmente poderiam ser aumentados ainda mais, caso a Tesla implemente um modo de "hibernação" com maior poupança de energia, concebido para este tipo de cenários em que se deseje ficar o carro parado durante vários meses.

Camião Tesla Semi excede expectativas de autonomia

18-08-2019 | 10:00 | Aberto até de Madrugada


Para além dos automóveis a Tesla também tem estado a trabalhar num camião eléctrico - o Tesla Semi - e os testes que estão a ser realizados com carga quase completa parecem estar a exceder as expectativas.

Na altura a Tesla tinha anunciado para este Semi uma autonomia de 800km com a carga máxima  de 32 toneladas; e ainda a garantia do sistema de transmissão para 1.6 milhões de quilómetros. Desde então as indicações aumentaram a carga máxima para 36 toneladas, e a autonomia para os 965km.

Com os testes reais na estrada do mais recente modelo de desenvolvimento, está a ser dito que estas expectativas estão a ser superadas, com uma carga de 34 toneladas.


Com um preço estimado de 180 mil dólares para a versão que oficialmente teria 800 km de autonomia, estes camiões eléctricos da Tesla têm tudo o que é preciso para revolucionarem o sector dos transportes rodoviários - e ainda mais, se lhes juntarmos a capacidade de condução autónoma.

Infelizmente, naquilo que já faz parte da tradição da Tesla, o Tesla Semi que inicialmente tinha sido indicado como estando pronto para lançamento em 2019, já derrapou para o final de 2020 - isto, na melhor das hipóteses. Mas, como é também costume dizer-se: mais vale tarde que nunca.

Drako promete hiper-carro eléctrico de 330km/h

18-08-2019 | 09:00 | Aberto até de Madrugada


Parecem abundar novos fabricantes automóveis que se apressam a prometer a criação de super-desportivos eléctricos, e a eles junta-se a Drako Motors norte-americana com o seu Drako GTE.

O Drako GTE recorre a um chassis da Fisker e é apresentado como sendo um carro real e não apenas um protótipo ou ideia, contando com design de Lowie Vermeersch, responsável por vários modelos da Pininfarina, Ferrari, e Maserati. E para além do design, este Drako GTE parece fornecer tudo o que um fã da velocidade deseje.


O Drako GTE tem quatro motores de 225kW ligados a cada uma das rodas, culminando numa potência total de 1200cv e binário de 8800Nm. Com isto, não é de admirar que possa atingir os 330Km/h de velocidade máxima,  embora não seja revelado quantos (poucos) segundos serão necessários para chegar aos 100km/h, 200km/h e 300km/h.

A bateria de 90kWh pode fornecer até 2200A de pico ou 1800A de forma contínua, contando com um carregador integrado de 15kW e podendo utilizar postos de carregamento rápido até 150kW.

Chegando ao último - e mais importante - ponto, não precisam preocupar-se com nada do que leram até aqui, pois a Drako diz que apenas irá produzir 25 unidades, com um preço de 1.25 milhões de dólares (de base) cada.

... Posto assim, os 215 mil euros pedidos pelo próximo Tesla Roadster até parecem uma pechincha!

Wiko destaca algumas especificações do seu Y60

18-08-2019 | 08:32 | Apps do Android



Um smartphone de gama de entrada, não tem por norma grandes elementos em destaque, mas a Wiko considera que o seu Y60 pode ter algumas surpresas por revelar. Nada como avaliarem esta proposta, para verificarem se este é o smartphone que procuram.




Y60 foi criado a pensar especialmente nos consumidores que usam o smartphone para as necessidades mais básicas, como manter contacto com a família e amigos, mas que não descuram pormenores importantes como uma boa capacidade de armazenamento, grande ecrã e velocidade 4G. Embora estes sejam alguns dos seus pontes fortes, a verdade é que tem muito mais a oferecer e algumas das suas outras funcionalidades podem ser ainda mais desconhecidas. A WIKO, empresa europeia de smartphones, quer garantir que saibas todos os pormenores sobre este terminal e começa por te revelar três coisas que podem ter passado despercebidas.

Graças à velocidade 4G que suporta, o Y60 permite fazer streaming, jogar ou descarregar ficheiros sem preocupações, ações essas que são ainda mais incentivadas graças ao seu ecrã panorâmico de 5.45” com vidro 2.5D, que oferece uma experiência verdadeiramente imersiva, permitindo desfrutar de todos os conteúdos da melhor forma por apenas 99€!

Uma vez que hoje em dia um dos pontos mais apreciados nos smartphones passa também pela câmara, o Y60 conta com uma câmara traseira e frontal, ambas com flash LED e com 5 megapixéis. De forma a oferecerem as melhores fotografias, contam com as funções de Face BeautyLive Filter e Live Portrait. Já os vídeos contam com o efeito de Time Lapse. Mas isto não é tudo. De seguida, mostramos-te três coisas sobre o WIKO Y60 que desconhecias:

Grande memória para até 80 aplicações
Já sabias que o Y60 contava com com uma excelente memória de 16GB, mas talvez desconhecesses que esta capacidade de armazenamento significa poder guardar mais de 3.000 faixas de música, 6.000 fotografias e até 80 aplicações! Quando um smartphone a um preço tão acessível quanto este te permite guardar todos os teus interesses e memórias nele, o que mais podes pedir?

Simple Mode: uma utilização (ainda) mais amigável
Com o Simple Mode, desenhado pela WIKO, o Y60 é ainda mais fácil de utilizar. Graças a esta funcionalidade pode mostrar num único ecrã à parte as tuas aplicações essenciais, contactos favoritos e configurações. O Android™ 9 Pie (Go Edition) oferece mais 500MB de espaço para o e um tempo de inicialização mais rápido (comparado com a versão anterior de Go Edition), bem como um painel acessível para rastrear e monitorizar o consumo de dados. Assim, este smartphone de entrada de gama oferece-te uma utilização simples, rápida e eficaz.

Dual SIM: concilia a tua vida pessoal com a profissional
Graças à sua função de Dual SIM, o Y60 pode incluir 1 Nano SIM + 1 Micro SIM, permitindo-te optar se queres ter dois números de telemóvel num mesmo dispositivo, ou se preferes colocar um cartão de memória externo para ampliar a memória do smartphone até mais 128GB. O Y60 permite-te conciliar a vida pessoal e profissional perfeitamente, sem cedências.

Este smartphone, pertencente à gama Y, está disponível em Portugal por um preço recomendado de 99€ nas cores Gradient Dark BlueGradient Bleen e Gold, com uma capa protetora de silicone de oferta.

Apps feitas por AI eram afinal feitas por humanos

17-08-2019 | 20:00 | Aberto até de Madrugada


Foi descoberto que uma empresa que dizia ter criado um sistema de AI capaz de criar automaticamente apps em apenas uma hora, afinal recorria a programadores humanos para as fazer.

A startup indiana Engineer.ai tinha a ambição de revolucionar o desenvolvimento de apps com a promessa de um sistema de inteligência artificial que podia criar mais de 80% de uma app de forma completamente automática em apenas uma hora. Mas na verdade, parece que a empresa está simplesmente a recorrer a trabalhadores humanos para fazer o trabalho.


Aliás, a empresa foi processada pelo seu próprio "chief business officer", Robert Holdheim, acusando-a de exagerar as capacidades "AI" do seu sistema com o intuito de obter financiamento; quando na realidade ainda nem sequer tinham qualquer sistema AI capaz de gerar código.

Deste então a empresa tem "mudado a cantiga", agora dizendo que a parte de AI é utilizada para analisar os pedidos dos clientes e atribuir automaticamente as tarefas aos engenheiros humanos mais qualificados... o que de nenhuma forma se enquadra na definição de "A.I. capaz de gerar programas automaticamente".

Será talvez um efeito, ao estilo do que aconteceu com o blockchain, de que adicionar "A.I." ao nome do que quer que seja, faz automaticamente inflacionar o valor dos financiamentos - mesmo que na verdade tudo não passe de uma ilusão (para não lhe chamarmos mentira descarada).

Pista de corridas em versão LED

17-08-2019 | 17:30 | Aberto até de Madrugada


Quem quiser recuperar as memórias dos tempos que passou a brincar às corridas de slot-cars, pode agora fazê-lo numa versão mais económica e portátil, usando unicamente uma fita de LEDs: o Open LED Race.

O Open LED Race é um curioso projecto que recria a experiência das corridas de slot-cars em versão minimalista, utilizando uma fita de LEDs endereçáveis individualmente. Aqui os carros físicos são recriados por cores que vão percorrendo a "pista" (a fita de LEDs), mediante a velocidade com que se vão fazendo "cliques" nos controladores.

O sistema é até capaz de simular a força da gravidade nas subidas, sendo necessários mais cliques, ou aceleração automática nas descidas; e nada impede que se adicionem muitas mais funcionalidades - como consumo de combustível, obrigação de paragem nas boxes para reabastecer (até podia ser implementado pelo aumento do comprimento do "carro", que se iria reduzindo a cada volta dada, para simular o consumo).

Um projecto muito curioso e interessante, e que pode ser facilmente replicado por qualquer pessoa a custo bastante reduzido - e bastante mais compacto e fácil de arrumar e transportar para qualquer lado que o seu congénere com pista e carros físicos. :)



Google ganha dados com até 20 lados

17-08-2019 | 15:31 | Aberto até de Madrugada


Uma das muitas funcionalidades do motor de pesquisa da Google é poder funcionar para atirar dados virtuais, e agora passa a poder fazê-lo para dados com até 20 lados - ideal para jogos estilo Dungeon & Dragons.

Escrever "roll dice" no Google, quer seja na web ou nas apps iOS e Android, faz com que surja um painel com um dado virtual que podemos usar para obter números aleatórios. Até agora tínhamos apenas acesso a um dado convencional de 6 lados, mas a Google fez uma grande expansão que torna esta ferramenta muito mais útil para uma variedade de jogos de tabuleiro.

A partir de agora é possível seleccionar entre dados com 4, 6, 8, 10, 12 e 20 lados. Sendo também possível indicar um valor a adicionar ou subtrair automaticamente. Podemos também adicionar múltiplos dados, bastando clicar neles na parte inferior (incluindo misturar diferentes tipos), e removê-los clicando neles na parte superior.

Para utilizadores frequentes, podemos utilizar atalhos do estilo "3d4-1" - neste caso criando 3 dados com 4 lados, com subtracção do valor 1. Ou, se quiserem levar a coisa ao limite, usarem "99d20+99" que, pelos testes rápidos que fiz, parece ser o máximo que o sistema suporta por agora.


Agora já não há desculpas para dizerem que não têm dados à mão para todos os tipos de jogos. :)

Galaxy Note10+ bate resultado no Huawei P30 Pro no índice DxOMark

17-08-2019 | 15:21 | Apps do Android


Depois do Galaxy S10 5G ter conseguido igualar a pontuação do P30 Pro, a Samsung consegue finalmente ascender ao topo da pontuação DxOMark com o seu mais recente Galaxy Note 10+ 5G.


O DxOMark tem sido usado como referência para avaliar as qualidades de fotografia e vídeo nos smartphones (um dos critérios mais importantes para muitas pessoas no momento de escolherem o seu próximo dispositivo), e nos últimos anos a tabela tem sido dominada pela Huawei - o seu P20 Pro, que conquistou a primeira posição e a manteve durante muito tempo, ainda agora se mantém no top 10, a apenas 3 pontos do mais recente P30 Pro (112 pontos). No entanto, foi tempo do topo de gama da Huawei ceder, por um único ponto, a primeira posição à Samsung...

O Galaxy Note 10+ 5G conseguiu obter 113 pontos, passando a liderar a tabela DxOMark. É mais um ponto que o P30 Pro que estava no topo da tabela empatado com o Galaxy S10 5G.




Como se costuma dizer, um pouco de competição saudável faz bem a todos; e resta esperar para ver que tal o Mate 30 Pro, que também deverá contar com conjunto de câmaras melhorado, se irá comportar - e se conseguirá reconquistar o lugar de topo do DxOMark para a Huawei.

YouTube limita abusos de copyright em vídeos com excertos de música curtos ou acidentais

17-08-2019 | 13:30 | Aberto até de Madrugada


Depois de anos a ouvir apenas os pedidos dos detentores dos direitos de autor, o YouTube dá finalmente um passo no sentido do bom senso, removendo a sua capacidade de lucrarem à custa de vídeos marcados de forma abusiva.

Para além do sistema de reconhecimento Content ID utilizado pelo YouTube, que automaticamente detecta músicas e vídeos com direitos de autor e os bloqueia ou monetiza a favor dos respectivos detentores dos direitos, o YouTube também disponibiliza uma ferramenta manual que permitia fazer esse mesmo serviço. O problema é que essa ferramenta era por vezes abusada, com detentores de direitos a reclamarem para si o lucro de determinado vídeo só por se ouvir brevemente uma música de que detêm os direitos, mesmo que se tratasse apenas de 2 ou 3 segundos, de algo como um carro a passar na estrada, ou de um loja com música pela qual se ia a passar.

🥁New today

A policy preventing Copyright owners from making $ on manual claims for:

🎵Short song clips (ex: 5 sec of a song)
🎵Unintentional audio (ex:🎶from passing cars)

Claimants can still block monetization or the video itself, but timestamps help you edit out the claim.
— TeamYouTube (@TeamYouTube) August 15, 2019


É algo que deixará de ser possível fazer a partir de agora, com o YouTube a impedir que os detentores lucrem com os vídeos nessas situações quando utilizam a ferramenta de marcação manual.

Os detentores de direitos continuam a poder exigir que a música seja removida (e agora são obrigados a indicar precisamente a que secção do vídeo se referem), mas deixam de poder exigir que os lucros do vídeo revertam a seu favor. Uma alteração que, tendo em conta que se refere a situações acidentais ou de curta duração, o YouTube espera que "deixem passar" sem exigirem o seu silenciamento.

... Conhecendo-se o comportamento das entidades que perseguem estes direitos de autor, parece-me ser uma esperança com poucas probabilidades de se tornar realidade...

Caixa-forte inundada do Banco de Espanha é real

17-08-2019 | 11:00 | Aberto até de Madrugada


Quando na terceira temporada da série da Netflix "La Casa de Papel" se descobre que um dos sistemas de protecção da caixa-forte do Banco de Espanha é a sua inundação com água, é impossível não nos interrogarmos sobre se esta medida de segurança será mesmo real ou ficção. Pois bem... agora sabemos que é mesmo real.

Os sistemas de segurança dos bancos centrais de qualquer país fazem parte dos segredos mais bem guardados - apostando-se na técnica de que será difícil fazer planos para superar defesas sobre as quais nada se sabe - mas no caso do Banco de Espanha ficamos a saber que a parte de poder ser inundado como método de protecção contra roubos é mesmo real.


No entanto, não se pense que seria exactamente como retratado na série. Na verdade, o ouro espanhol é protegido por três portas blindadas (e não apenas uma como na série), sendo que seria a secção intermédia - que conta com um elevador que desce uma profundidade de 35 metros - a ser inundada.

A medida parece saída de um filme do James Bond, mas os responsáveis relembram que à altura em que a caixa forte foi construída, na década de 1930, não haviam sistemas CCTV nem sistemas de segurança digital. Pelo que a aposta consistia essencialmente nas barreiras de segurança físicas, que na vida real têm resistido ao longo de quase um século.

Um destes dias ainda descobrimos que estas caixas fortes são o local mais seguro para guardar as chaves das criptomoedas... :)

Nova falha no para-quedas pode adiar ExoMars 2020

17-08-2019 | 10:00 | Aberto até de Madrugada


As ambições de colocar um rover Europeu em Marte já no próximo ano com a missão ExoMars 2020 sofreram novo revés que poderá levar ao adiamento do lançamento para 2020.

A missão conjunta da ESA e Roscosmos (Rússia) falhou o segundo teste do sistema de para-quedas que será de importância crítica para pousar o rover robótico em Marte - e que adquire relevância adicional quando nos relembramos que durante a primeira fase o módulo Schiaparelli caiu em Marte devido a um bug de software que o fez pensar que estava prestes a tocar o solo quando ainda estava a alta altitude.

Desta vez o sistema dispensa o uso de retrofoguetes, optando por um conjunto de múltiplos pára-quedas utilizados de forma sequencial para abrandar o rover e o fazer chegar ao solo em segurança.


Um sistema que utilizará um primeiro pára-quedas piloto que puxará o primeiro pára-quedas principal, que será posteriormente ejectado, dando início a uma repetição do processo com um segundo pára-quedas piloto que puxará o segundo pára-quedas principal.

É uma sequência que parece ser excessivamente complexa, mas necessária para abrandar das velocidades supersónicas na pouco densa atmosfera marciana - mas que infelizmente não parece ser fácil de afinar, com os pára-quedas a romperem-se durante o segundo teste, seguindo-se ao anterior teste que também falhou.

Ainda há mais testes para realizar, mas o problema é que se tudo não for resolvido em breve, não será possível lançar o ExoMars 2020 em 2020 como planeado; e se isso acontecer, a próxima janela de lançamento só acontecerá em 2022, quando Marte voltar a aproximar-se da Terra.

Chang'e-4 continua a recolher fotos e dados sobre o lado afastado da Lua

17-08-2019 | 09:00 | Aberto até de Madrugada


A missão Chang'e-4 chinesa ao lado "escuro" da Lua tem sido um sucesso, tendo já completado oito "dias" completos de trabalho, com direito ao envio de novas imagens deste lado que permanece continuamente escondido da Terra.

A missão pousou na Lua no início do ano, marcando a primeira missão robótica ao lado afastado da Lua, e felizmente tudo tem corrido dentro do previsto. Tanto o módulo Chang'e-4 como o rover Yutu-2 têm aguentado as difíceis condições lunares, incluindo as prolongadas noites lunares com temperaturas de -190ºC.

De frisar que cada "dia" e "noite" lunar tem a duração de 14 dias, pelo que tanto o módulo como o rover entram em modo de suspensão durante esse período, para retomarem as operações quando o dia regressa.


O rover Yutu-2 já percorreu 271 metros na superfície lunar, e tem recolhido dados que poderão ajudar a decifrar porque motivo este lado afastado da lua é significativamente diferente do lado que fica virado para a Terra.

|